Blog Oficial

terça-feira, 31 de julho de 2012

Como diferenciar dor de cabeça de AVC

Como diferenciar dor de cabeça de AVC


Por Dr. Alfredo Salim Helito



Os sinais que diferenciam um Acidente Vascular Cerebral (AVC) de cefaleia são dor de cabeça súbita e sem causa aparente; fraqueza nas pernas, na face e nos braços; perda repentina de audição edificuldade para enxergar ou andar; confusão mental súbita e dificuldade para falar e compreender outras pessoas. Nesse caso, o paciente ou seus familiares devem buscar socorro médico imediatamente. O AVC hemorrágico ou derrame cerebral é a maior causa de mortes no Brasil.


Já a cefaleia crônica pode ter ligação com o mau funcionamento dos sistemas muscular, vascular ou nervoso. A maioria é de origem muscular. Uma porcentagem menor das dores de cabeça pode ser causada por traumas, tumores e lesão do tecido, a chamada cefaleia aguda.


Entre as cefaleias crônicas está a enxaqueca – doença neurovascular – que atinge o sexo feminino em maior número. As mulheres sofrem mais de enxaqueca por causa do desequilíbrio hormonal durante as fases da vida, como a menstruação e a ingestão de pílulas anticoncepcionais.


Uma crise típica de enxaqueca é reconhecida pela dor que envolve metade da cabeça, piora com qualquer atividade física e está frequentemente associada à náusea, vômitos e desconforto com a exposição à luz e sons altos, podendo durar até 72 horas.


As dores de cabeça também podem estar relacionadas à tensão, estresse, cansaço, jejum, alguns alimentos, visão, hábitos posturais, pressão alta, gripe, sinusite, meningite, dengue, Articulação Temporo-Mandibular (ATM) e Acidente Vascular Isquêmico ou infarto cerebral.






sexta-feira, 27 de julho de 2012

Escolha o melhor cereal para emagrecer

Escolha o melhor cereal para emagrecer






Nutricionistas comparam mais de dez opções e elegem a campeã da dieta

Por Letícia Gonçalves

Cereais e alguns tipos de sementes são ótimas opções para afastar a fome, principalmente no café da manhã. "Eles costumam fornecer muitas fibras, que dão saciedade e fazem você comer menos", afirma a nutricionista Flávia Morais, coordenadora da área de nutrição da rede Mundo Verde. Ingerir fibra também melhora a digestão, combatendo a sensação de inchaço e estufamento.

São tantas as opções à venda, no entanto, que fica difícil escolher a melhor. "Eleger os grãos integrais, que conservam mais nutrientes, é um bom começo", diz a nutricionista Bruna Pinheiro, do Dieta e Saúde. Para facilitar a seleção, o Minha Vida pediu às nutricionistas que fizessem um ranking com os melhores tipos para quem quer emagrecer, considerando a quantidade de fibras, mais importante até que a quantidade calórica, de acordo com as especialistas, e outros benefícios extras.



Chia

A sementinha mexicana que ainda está ganhando popularidade no Brasil foi eleita uma das melhores opções para o café da manhã. "Além do alto teor de fibras, ela forma uma espécie de gel no estômago que auxilia na redução do apetite ao aumentar ainda mais a saciedade", afirma Bruna Pinheiro.



A chia também fornece mais proteínas do que flocos de milho, arroz, trigo e até mesmo a poderosa aveia. Outros nutrientes encontrados são cálcio, ômega 3, fósforo, magnésio, potássio, zinco, ferro e cobre. Por ter sabor leve, ela pode ser adicionada a sucos, vitaminas e iogurte sem prejuízos ao paladar. Uma colher de sobremesa por dia já é uma quantidade ideal.

Ele acaba de aterrissar por aqui, mas não se engane: sua bagagem é recheada de história. Cultivado desde 2600 a.C, o grão de chia era consumido por maias e astecas para turbinar sua resistência física. Como ele também tinha forte apelo religioso, as plantações foram suprimidas pelos espanhóis assim que conquistaram a América, no século 16. "Elas só foram retomadas no início da década de 1990, por um grupo de pesquisadores argentinos em parceria com a Universidade do Arizona, nos Estados Unidos", conta a nutricionista Carolina Chica, da Unidade de Doenças Cardiovasculares da Pontifícia Universidade Católica do Chile.

Desde então, a chia, que tem sabor semelhante ao das nozes, ganhou os holofotes nos laboratórios. E não é para menos: fonte de ácido graxo ômega-3, proteínas, fibras, substâncias antioxidantes e minerais como fósforo, cálcio, ferro e magnésio, ela é uma tremenda parceira à mesa contra inúmeros males.


Uma porção de 100 gramas contém:

Calorias: 536

Carboidrato: 44g

Proteína: 17,2g

Gordura: 32,8g

Fibras: 27,6g





Linhaça

Além de rica em fibras, a semente de linhaça é rica em uma gordura que faz bem à saúde: o ômega 3. "Tanto a chia quanto a linhaça são oleaginosas que apresentam gorduras de origem vegetal (poli e mono insaturadas), que são muito importantes para a saúde cerebral e cardiovascular", afirma a nutricionista Flávia.



As especialistas também contam que a semente é rica em lignana, substância que ajuda na prevenção do câncer de mama e próstata, além de proteínas, vitaminas e minerais. Bruna Pinheiro sugere moer ou triturar a semente para aproveitar melhor os nutrientes. "Estudos também mostram que uma colher de sopa por dia é a quantidade ideal de consumo", afirma.



Uma porção de 100 gramas de linhaça dourada contém:

Calorias: 453,3

Carboidrato: 0

Proteína: 15g

Gordura: 42,66g

Fibras: 25,33g





Centeio

O centeio também é um campeão em fibras para ajudar na saciedade. Ele costuma ser encontrado misturado a outros cereais e ajuda a fornecer proteínas, que dão mais energia para o corpo e ajudam você a ficar satisfeito. A quantidade deste e dos outros cereais pode ser maior do que as oleaginosas, por volta de duas colheres de sopa por dia. "Mas quem tem doença celíaca deve passar longe desse cereal, que contém glúten", adverte Bruna Pinheiro.



Uma porção de 100 gramas contém:

Calorias: 336 kcal

Carboidrato: 73,3

Proteína: 12,5g

Gordura: 1,8g

Fibras: 15,5g



Trigo em grãos

"Diferente dos grãos refinados, o trigo em grão preserva o gérmen e o farelo, onde se concentram a maior parte das fibras, vitaminas e minerais", afirma a nutricionista Bruna. Mas fique atento ao rótulo se for escolher esse tipo: há produtos feitos com trigo refinado e, por isso, são mais pobres em fibras. Para disfarçar o gosto da versão integral, que é meio amargo, você pode fazer uma mistura de cereal, frutas e iogurte ou leite.



Uma porção de 100 gramas contém:

Calorias: 342,2 Kcal

Carboidrato: 75,5g

Proteína: 11,3g

Gordura: 1,7g

Fibras: 12,2g




Müsli ou Muesli

Por ser um mix de cereais com frutos secos, o müsli (ou muesli) é ainda mais rico em nutrientes do que apenas os cereais puros. Sem contar que o sabor é agradável sem precisar aumentar demais as calorias, já que as frutas são naturalmente doces, sem adição de açúcar. Essa mistura também se diferencia da granola por conter alguns ingredientes crus, aumentando ainda mais o teor nutritivo.



Uma porção de 100 gramas contém:

Calorias: 397,5

Carboidrato: 55g

Proteína: 12,5g

Gordura: 15,5g

Fibras: 11g




Aveia

Este cereal é altamente energético e ótimo para quem pratica exercícios físicos. "A aveia fornece vitaminas B, cálcio, fósforo, ferro, potássio, magnésio e manganês", afirma Bruna Pinheiro. Outra grande vantagem da aveia é ser fonte de beta-glucana, um tipo de fibra que auxilia na redução e no controle da glicose, ótimo para quem tem diabetes, e atua na redução das taxas colesterol, protegendo o coração e favorecendo a perda de peso.



Uma porção de 100 gramas contém:

Calorias: 400 kcal

Carboidrato: 60g

Proteína: 10g

Gordura: 10g

Fibras: 10g



Granola

A mistura de grãos, frutas e castanhas da granola combina fibras e sais minerais a um sabor adocicado que combina com vários outros alimentos. As nutricionistas alertam, no entanto, que esse mix de cereais contém açúcar como ingrediente e não pode ser consumido em excesso - uma nutricionista poderá estipular a quantidade certa para a sua alimentação, mas costuma ser por volta de duas colheres de sopa por dia.



Uma porção de 100 gramas de granola tradicional contém:

Calorias: 480 kcal

Carboidrato: 11,2g

Proteína: 9,75g

Gordura: 18,7g

Fibras: 8,5g




Cevada em grãos

A cevada é um dos cereais que menos apresenta gorduras prejudiciais ao emagrecimento. "Além de fibras e carboidratos, a cevada também possui vitaminas do complexo B, selênio e magnésio", afirma a nutricionista Bruna.



Uma porção de 100 gramas contém:

Calorias: 351,1

Carboidrato: 75,5g

Proteína: 10g

Gordura: 2g

Fibras: 6,4g




Amaranto em flocos

Embora o amaranto seja considerado um pseudo cereal, por ter diferenças no plantio, os nutrientes são muito parecidos com o de cereais em geral. "Ele fornece vitamina C, potássio, zinco, fósforo, ferro, magnésio e cálcio", afirma Bruna Pinheiro. Por não conter glúten, é uma das melhores opções para quem tem doença celíaca.



Uma porção de 100 gramas contém:

Calorias: 380

Carboidrato: 80g

Proteína: 7,6g

Gordura: 4,6g

Fibras: 6g



Arroz integral

Independente do tipo de arroz, esse cereal é fonte de carboidratos e aminoácidos indispensáveis para o organismo, além de ser rico em vitaminas do complexo B. Como o teor de fibras não é muito alto, o ideal é combinar esse cereal com versões mais ricas no nutriente amigo do intestino.



Uma porção de 100 gramas contém:

Calorias: 370

Carboidrato: 78g

Proteína: 8g

Gordura: 3g

Fibras: 3,6g



Flocos de milho

O milho contém praticamente os mesmos nutrientes que os demais cereais: fibras, carboidratos e vitaminas do complexo B. Como a quantidade de fibras não é elevada, vale a pena misturar com outros cereais que ocupam o topo dessa lista.



Uma porção de 100 gramas contém:

Calorias: 393,3

Carboidratos: 86,6

Proteínas: 9,3

Gorduras: 1,3

Fibras: 3,3



Quinua

Considerada um pseudo cereal, assim como o amaranto, a quinua tem mais proteína que outros cereais, dando mais energia. "Ela também fornece minerais e vitaminas, além de ácidos graxos ômega 3 e 6, que previnem câncer e doenças cardiovasculares", afirma Bruna Pinheiro. A nutricionista faz questão de lembrar que, apesar de a quinua ter menos quantidade de fibras e, por isso, ocupar o final da lista de grãos para emagrecer, ela é uma das opções mais ricas em diversos nutrientes que fazem bem à saúde. Por isso, combine essa versão com outras e garanta um café da manhã ainda mais nutritivo.



Uma porção de 100 gramas contém:

Calorias: 397,7

Carboidrato: 73,3g

Proteína: 12g

Gordura: 6g

Fibras: 3,1g

Consumir farelos e cereais integrais é algo recomendável para um bom funcionamento do organismo, principalmente no que diz respeito ao aparelho digestivo. Afinal, esses alimentos, cada vez mais utilizados como fonte de fibras, auxiliam na boa digestão, prevenindo prisão de ventre, reduzindo o colesterol e as altas taxas de triglicérides, prevenindo doenças como o câncer no estômago e intestino, entre outros benefícios. Mas como tudo em excesso faz mal, a regra também vale para esses alimentos.




"O consumo de fibra ideal é de 20 a 30 gramas diárias. Em excesso, ou seja, mais de 40g, pode atrapalhar na absorção de nutrientes da dieta, prejudicando a saúde de um modo geral. O consumo mínimo recomendado de cereais integrais é três porções diárias e, no máximo, de seis porções", defende a nutricionista funcional Fernanda Granja.







Dieta com farelos e cereais


Cuidado para não exagerar

Ultrapassar esse limite pode acabar atrapalhando o aproveitamento de nutrientes pelo organismo, como o cálcio, por exemplo.


Para se evitar o excesso e não prejudicar a dieta e, consequentemente, o bom funcionamento do organismo, o ideal é consumir duas fatias de pão integral logo no café da manhã, ou meia xícara de chá de cereal integral com leite ou iogurte desnatado. Nos lanches da manhã e tarde, não mais que duas torradas integrais ou três colheres (sopa) de cereal integral com um pote de iogurte desnatado.


No almoço e jantar, três colheres (sopa) de arroz integral ou três colheres (sopa) de polenta feita com fubá.


Esses alimentos auxiliam nas dietas de emagrecimento, principalmente se associados a atividades físicas e hábitos de vida saudáveis. Eles causam sensação de saciedade, a pessoa se sente satisfeita com uma porção menor e vai demorar mais tempo para voltar a sentir fome.


Mas vale uma ressalva. É importantíssimo que juntamente com o consumo desses farelos e cereais, haja a ingestão de boa quantidade de água durante o dia, algo em torno de três litros.




Cereal integral sem líquido vira sinônimo de fezes duras e ressecadas, que dificilmente são expulsas do organismo.









sábado, 21 de julho de 2012

Cargas da vida, como administrar.


¨Algumas formas de administrar as cargas da vida¨


1 * Se não puder ser gentil, pelo menos tenha a decência de ser vago.


2 * Mantenha sempre tuas palavras leves e doces pois pode acontecer de você precisar engolir todas elas.


3 * Só leia coisas que faça você se sentir bem e ter a aparência boa de quem está bem, caso você morra durante a leitura.


4 * Dirija com cuidado. Não só os carros apresentam defeitos e têm recall do fabricante.


5 * Aceite que há dias em que você é o pombo e outros em que você é a estátua.


6 * Se você emprestar $200,00 para alguém e nunca mais ver essa pessoa, provavelmente valeu a pena pagar esse preço para se livrar dela.


7 * Pode ser que o único propósito da tua vida seja servir de exemplo para os outros.


8 * Nunca compre um carro que você não possa manter.


9 * Quando você tenta pular obstáculos lembre que está com os dois pés no ar e sem nenhum apoio.


10 * Ninguém se importa se você consegue dançar bem. Para participar e se divertir no baile, levante e dance, pronto.


11 * Uma vez que a minhoca madrugadora é a que é devorada pelo pássaro, durma até mais tarde sempre que puder.


12 * Lembre que é o segundo rato que come o queijo - o primeiro fica preso na ratoeira. Saiba esperar.


13 * Lembre, também, que sempre tem queijo grátis nas ratoeiras.


14 * Quando tudo parece estar vindo na tua direção, provavelmente você está no lado errado da estrada.


15 * Aniversários são bons para você. Quanto mais você tem, mais tempo você vive.


16 * Alguns erros são divertidos demais para serem cometidos só uma vez.


17 * Podemos aprender muito com uma caixa de lápis de cor. Alguns têm pontas aguçadas, alguns têm formas bonitas e alguns são sem graça. Alguns têm nomes estranhos e todos são de cores diferentes, mas todos são lápis e precisam viver na mesma caixa.


18 * Não perca tempo odiando alguém, remoendo ofensas e pensando em vingança. Enquanto você faz isso a pessoa está vivendo bem feliz e você é quem se sente mal e tem o gosto amargo na boca.


19 * Quanto mais alta é a montanha mais difícil é a escalada. Poucos conseguem chegar ao topo, mas são eles que admiram a paisagem do alto e fazem as fotos que você admira dizendo "queria ter estado lá".


20 * Uma pessoa realmente feliz é aquela que segue devagar pela estrada da vida, desfrutando o cenário, parando nos pontos mais interessantes e descobrindo atalhos para lugares maravilhosos que poucos conhecem.


"Portanto, antes de voltar para casa esta noite,


deposite sua carga de trabalho/vida no chão.


Não carregue para casa.


Você pode voltar a pegá-la amanhã.


Com tranquilidade."











[SÍRIA destruída] Profecia próxima de ser cumprida

Assad, presidente da Síria, ameaça ocidente com retaliação militar com mira em Israel se medidas forem tomadas contra seu país!



.
Vejamos o que a Palavra de Deus fala acerca dessa conjuntura política:


.
Isaías 17


1 PESO de Damasco. Eis que Damasco será tirada, e já não será cidade, antes será um montão de ruínas.


2 As cidades de Aroer serão abandonadas; hão de ser para os rebanhos que se deitarão sem que alguém os espante.


3 E a fortaleza de Efraim cessará, como também o reino de Damasco e o restante da Síria; serão como a glória dos filhos de Israel, diz o SENHOR dos Exércitos.


4 E naquele dia será diminuída a glória de Jacó, e a gordura da sua carne ficará emagrecida.


5 Porque será como o segador que colhe a cana do trigo e com o seu braço sega as espigas; e será também como o que colhe espigas no vale de Refaim.


6 Porém ainda ficarão nele alguns rabiscos, como no sacudir da oliveira: duas ou três azeitonas na mais alta ponta dos ramos, e quatro ou cinco nos seus ramos mais frutíferos, diz o SENHOR Deus de Israel.


.Segundo a Profecia Bíblica supracitada, Damasco, Capital da Síria, será destruída; mas Israel também sofrerá (terá a sua glória e gordura diminuída) quando acontecer esse evento fatídico!


.Aguardemos, fiquemos vigilantes, pois quando se cumprir essa Profecia o Noivo estará às portas; Maranata!


.
Fiquem na Paz!!!

Dormir bem, dicas e segredos

Por Bruna Machado


Fonte: Revista Zero, ed. 16.

Sonolência, cansaço, estresse, mau humor, falta de paciência... Estes são apenas alguns dos sintomas de noites maldormidas. Extremamente vital para manter a nossa saúde e beleza em dia, o sono repara corpo e mente. Afinal, quando dormimos bem, acordamos nos sentindo melhor emocionalmente e fisicamente, não é? De acordo com Eduardo Rollo Duarte, especialista em Odontologia do sono (SP), dormir bem é importante para assegurar o descanso do nosso corpo, bem como do cérebro. Ele explica que durante o sono produzimos hormônios importantes para a regeneração dos tecidos (entenda: para uma pele mais bonita e viçosa) bem como reforçamos outras funções, como a do sistema imunológico, que funciona melhor, prevenindo doenças e dando mais disposição.




Mas os benefícios de uma boa noite de sono não param por aí. A psiquiatra Renata Camacho (SP) explica que além de melhorar o humor, o bem-estar e a disposição física, uma noite bem-dormida é capaz de aumentar a concentração, a memória e até mesmo estimular o processo de aprendizagem. Então, se você está tendo problemas para dormir, veja as dicas especiais que preparamos! Está na hora de parar de brigar com o travesseiro e ter bons sonhos!



SEGREDO Nº 1: PREPARE O AMBIENTE

Para que você embale em um sono profundo, é extremamente importante que o ambiente esteja harmonizado. Veja as dicas dos especialistas:


- Certifique-se de que não tenha ruídos no quarto;


- Reduza a luz ambiente, isso ajuda o cérebro a produzir o hormônio do sono, chamado melatonina;


- Coloque roupas ou pijamas confortáveis;


- Cubra-se com lençóis e cobertas limpos, de acordo com o clima externo, para que você não sinta frio ou calor;


- Verifique se o colchão e o travesseiro estão adequados;


- Tire o relógio do quarto de dormir. Ele gera ansiedade, pois a cada vez que olhar para ele e ver que ainda não conseguiu dormir, ficará ainda mais ansiosa e preocupada.



SEGREDO Nº 2: ATITUDES SIMPLES


De acordo com Luciane Gerodetti, psicóloga e terapeuta floral (sp), nosso organismo tem um relógio biológico interior que regula o sono, chamado ritmo circadiano: quando você cria o hábito de dormir sempre no mesmo horário, ajuda a sincronizar seu sono com esse ciclo interior, o que facilita para uma boa noite de sono. Mas caso isso não seja possível, veja algumas dicas para o momento pré-cama:


- Evite ficar na cama "esperando o sono chegar". Só se deite quando realmente for dormir;


- Tente não fazer atividades físicas depois das 18 horas;


- Não faça atividades muito estimulantes nas horas que antecedem o sono;


- Tome um banho quente. Ele ajuda a baixar a pressão e induz ao sono;


- Antes de dormir, leia um bom livro. Isso ajudará a limpar a mente do dia a dia;


- Não leve os problemas para a cama.




SEGREDO Nº 3: ALIMENTAÇÃO


- Evite tomar café, chá-preto ou produtos que tenham cafeína após as 17 horas;


- Não faça refeições pesadas à noite;


- Faça a última refeição até as 20 horas;


- Evite ingerir alimentos condimentados, como molhos gordurosos e temperos fortes;


- Consuma chá de ervas;


- Ingira doses moderadas de carboidratos (torrada, pão, aveia) associados a um copo de leite, pois ele possui em sua composição triptofano, um aminoácido responsável pela produção da serotonina, o hormônio do bem-estar e relaxamento, ajudando assim na indução do sono.




Para que você tenha uma noite de sono tranquila, além de tudo isso, é essencial cultivar bons hábitos, bons pensamentos e boas emoções. Ao deitar na sua cama, esqueça os problemas. Deixe que as preocupações durmam no sofá da sala. Relaxe. Essa é a sua hora de descansar!


Aliado da dieta!


- Estudos indicam que pessoas que dormem menos do que a sua necessidade diária apresentam maior chance de ganhar peso e ter diabetes, pois ficam mais indispostas à prática de atividades físicas.


- Pessoas que dormem pouco costumam ter níveis mais altos de colesterol e a imunidade mais baixa.


- A privação do sono é responsável pela alteração da metabolização de glicose no organismo, podendo levar a uma maior dificuldade para controlar o apetite.


Em claro...


Segundo a psicóloga Lourdes Brunini (SP), no livro dos recordes, o máximo que uma pessoa ficou sem dormir foi 164 horas. Outro caso lembrado pelos especialistas é de um estudo realizado em 1935, no qual um jovem de 24 anos dormiu pouco mais de cinco horas durante um período total de quase dez dias! "Ele acreditava que o sono era apenas um hábito e, portanto, poderia ser interrompido sem detrimento à saúde. A partir do quarto dia, ele tornou-se cada vez mais confuso e irracional. Já não lembrava mais onde estava, passou a apresentar delírios e ficou tão intratável que o projeto foi interrompido", explica. Não vale o risco!







Vitamina D, dicas e advertências

Como funciona a vitamina D


por Jennifer Brett, N.D. - traduzido por HowStuffWorks Brasil


Benefícios da vitamina D

A vitamina D tem uma série de utilidades importantes - tão importantes, que os Estados Unidos passaram a fortificar o leite para prevenir doenças como o raquitismo. A vitamina D funciona de várias maneiras quando entra no organismo, e também possui várias formas de auxiliar na regulação das funções do corpo e na absorção dos nutrientes.

Uma pesquisa mostra que muitos tipos de células de câncer têm pontos onde a forma ativa da vitamina D pode se unir. Então, quando a vitamina D se une, a replicação das células do câncer perde velocidade. Mas como o excesso de vitamina D é bastante tóxico, é difícil usá-la de forma terapêutica para tratar o câncer, exceto em situações de pesquisa.

Entretanto, a exposição diária ao sol para manter os níveis de vitamina D altos reduz o risco de câncer do cólon. Mas não exagere no bronzeamento - o câncer de pele está bastante associado ao sol!



2007 Publications International, Ltd.

A vitamina D controla se os minerais são depositados
nos ossos ou retirados deles, evitando ossos fracos ou moles


A vitamina D é útil na prevenção de osteoporose. Quando administrada junto com suplementos de cálcio, ela é capaz de fazer os ossos reterem o cálcio, e não liberá-lo.


A vitamina D também pode ter um papel importante na proteção das pessoas contra esclerose múltipla. Essa doença é tão comum nas latitudes mais elevadas que os pesquisadores estão estudando a possibilidade de a deficiência de vitamina D aumentar o risco de desenvolvê-la.


A vitamina D de uso tópico pode ser útil no tratamento da psoríase, limitando o crescimento das células anormais da pele. No entanto, esse tipo é vendido somente sob prescrição médica e pode ser muito caro.

A vitamina D também diminui os sintomas de algumas formas de artrite e, possivelmente, ajuda a reduzir o risco de diabetes tipo 1 em crianças.


Se não estiver obtendo quantidade suficiente de vitamina D diariamente, você pode tomar suplementos. Na próxima seção, discutiremos os tipos de suplementos que existem e como saber se você precisa aumentar sua dosagem de vitamina D.


Embora a exposição ao sol seja uma forma de obter vitamina D, ela não é a única. Muitos alimentos contêm vitamina D - alguns, como o leite, até foram fortificados com essa vitamina. Na próxima seção, conheceremos os alimentos que são as melhores fontes de vitamina D.


Alimentos que contêm vitamina D

É evidente que a vitamina D é importante - mas como obtê-la? Realmente, a vitamina D pode ser produzida naturalmente pela exposição à luz do sol, mas ela também existe em alguns alimentos comuns. Entretanto, como fonte dessa vitamina, certos alimentos são melhores do que outros.

Alguns possuem uma quantidade significativa de vitamina D, naturalmente, e são alimentos que talvez você não queira exagerar: manteiga, nata, gema de ovo e fígado. Mas existem algumas boas fontes dessa vitamina. Todo tipo de leite, inclusive o desnatado, pode ser fortificado com vitamina D em cerca de 100 UI por xícara. No Brasil, essa fortificação não é obrigatória. Alguns fabricantes também fortificam cereais. O óleo de fígado de bacalhau, como suplemento, possui aproximadamente 1.200 UI de vitamina D por colher de sopa. Entretanto, ele deve ser usado com cuidado como um suplemento alimentar, pois também contém níveis elevados de vitamina A, que pode ter efeitos tóxicos.


A gema do ovo é uma boa fonte de


vitamina D, mas não é um alimento muito


saudável para se comer em excesso


Uma pessoa de pele clara pode produzir quantidade suficiente de vitamina D se ficar exposta ao sol apenas 20 a 30 minutos por dia. Seria necessário cerca de três horas para uma pessoa negra produzir a mesma quantidade de vitamina, pois o pigmento da pele filtra os raios ultravioleta.


Você não pode exagerar na dose de vitamina D proveniente do sol. Evidentemente, você pode tomar bastante sol, aumentando o risco de câncer de pele. Infelizmente, como os protetores solares filtram os raios ultravioleta que queimam a pele, eles também bloqueiam a produção de vitamina D. Ficar exposto ao sol com a pele desprotegida no início da manhã ou no final da tarde resolve os dois problemas.


Nuvem, poluição, roupa e até vidro de janela também filtram os raios. Pessoas que ficam confinadas à casa, que cobrem boa parte do corpo quando saem à rua, de pele negra e aquelas que vivem em climas nublados em latitudes mais altas têm mais probabilidade de apresentarem deficiência de vitamina D. Essas pessoas devem obter a vitamina por meio de alimentos.


Aqui vai uma tabela com os alimentos ricos em vitamina D:

Fontes de vitamina D


Quantidade

Vitamina D (mcg)

Salada de atum 1 xícara 7,5

Leite desnatado 1 xícara 2,5

Leite 1 xícara 2,5

Substituto do ovo 1/2 xícara 2,1

Gemada 1/2 xícara 1,5

Cereal Total 1 xícara 1,2

Iogurte, pobre em gordura 1 xícara 1,2


Fontes de vitamina D

Quantidade

Vitamina D (mcg)



Suplementos de vitamina D

Todo mundo precisa de vitamina D - mas quanto? E se você não estiver conseguindo obtê-la com sua dieta diária, como saber onde encontrá-la? Você pode acabar exagerando na dose de vitamina D; por isso, tome cuidado.

Na verdade, ela é a mais tóxica de todas. Apenas dez vezes a quantidade necessária - 50 mcg - pode ser tóxica para crianças. Os sintomas da overdose incluem diarréia, náusea e cefaléia. A complicação mais grave é o aumento dos níveis de cálcio no sangue que o excesso de vitamina D pode causar. Essa condição pode levar a depósitos de cálcio nos rins, coração e outros tecidos, causando lesões irreversíveis.


2006 Publications International, Ltd.

Os suplementos de vitamina D geralmente


são recomendados para bebês que


mamam no seio e vegetarianos


Os bebês que mamam no seio usualmente recebem suplementos de vitamina D. Os bebês que tomam leites preparados, por outro lado, recebem a quantidade recomendada de vitamina D em fórmulas comerciais infantis e não precisam de suplementação adicional. Os vegetarianos que não ingerem laticínios ou ovos, ou que não ficam expostos ao sol por tempo suficiente, devem pensar no uso de suplementos de vitamina D.


O tratamento padrão para o raquitismo é uma dose razoavelmente alta de vitamina D dada sob supervisão médica. Os médicos dão a forma ativa quando a conversão da vitamina D para a forma ativa de dihidroxi é inadequada, possivelmente, devido a hepatopatias ou nefropatias.


Aproximadamente 400 mcg diários são suficientes para a prevenção da osteoporose.


A vitamina D é um elemento crucial de qualquer dieta saudável - seja através do sol, de alimentos, como o leite, que pode ser fortificado com vitamina D, ou de suplementos, pois é importantíssimo obter a quantidade necessária. Entretanto, você também pode ingeri-la em excesso, o que é perigoso. É importante prestar atenção na fonte de onde você está recebendo a vitamina D e na quantidade que está consumindo, além de ter cuidado com os sintomas da overdose de vitamina D, que incluem diarréia, náusea e cefaléia.


Além da vitamina D, outros suplementos podem ser usados para melhorar a dieta. Alguns deles são listados abaixo.

A vitamina E é um antioxidante nas células e tecidos do corpo, combinando-se ao oxigênio e destruindo os radicais livres. Descubra mais sobre a vitamina E em Como funciona a vitamina E.


A vitamina B3 ajuda a transformar proteínas, carboidratos e gorduras em energia. Aprenda mais em Como funciona a vitamina B3.

A vitamina K afeta principalmente o suprimento de sangue do corpo e a velocidade com que ele coagula. Como funciona a vitamina K pode dar mais detalhes sobre a forma como essa vitamina ajuda na regulação do sangue no corpo.

O ácido fólico funciona como uma coenzima durante muitas reações no corpo e tem um papel importante na formação de novas células. Aprenda mais sobre esse importante elemento em Como funciona o ácido fólico (em inglês).

Descoberta apenas há 60 anos, a biotina auxilia em várias reações metabólicas. Saiba mais em Como funciona a biotina (em inglês).


Para conhecer as muitas vitaminas em nossa dieta, saber a quantidade que deve ingerir e onde encontrá-las, acesse a página Vitaminas.

SOBRE O AUTOR

A Dra. Jennifer Brett é diretora do Instituto de Acupuntura da Universidade de Bridgeport (em inglês), onde também trabalha como professora na Faculdade de Medicina Naturopática. Líder reconhecida em seu campo, com vasta experiência no tratamento de várias doenças utilizando medicamentos botânicos e nutricionais, a Dra. Brett apareceu no WABC TV (NYC) e no Good Morning America para discutir o uso de plantas na saúde.

Se você não consegue obter vitamina D suficiente, pode ocorrer uma série de problemas de deficiência. Na próxima seção, discutiremos o efeito negativo que a falta de vitamina D pode ter nos ossos e no corpo em geral.

Esses dados são apenas informativos. ELES NÃO TÊM O OBJETIVO DE PROPORCIONAR ORIENTAÇÃO MÉDICA. Nem os editores de Consumer Guide (R), Publications International, Ltda., nem o autor e nem a editora se responsabilizam por quaisquer conseqüências possíveis oriundas de qualquer tratamento, procedimento, exercício, modificação alimentar, ação ou aplicação de medicação resultante da leitura ou aplicação das informações aqui contidas. A publicação dessas informações não constitui prática de medicina, e elas não substituem a orientação de seu médico ou de outros profissionais da área médica. Antes de se submeter a qualquer tratamento, o leitor deve procurar atendimento médico ou de outro profissional da área da saúde.



Asma, saiba tudo sobre ela, dicas e informações importantes‏

Asma/bronquite/pneumonia



Peixes e frutas para vencer a asma

Estudos mostram que dieta mediterrânea ajuda no controle da doença respiratória, agravada pela obesidade




Foto: Thinkstock/Getty Images

Dieta mediterrânea ajuda a combater a asma


A prevenção da doença que interna 21 pessoas por hora no Brasil pode estar no prato e nas escolhas feitas no supermercado.

As últimas pesquisas nacionais e internacionais comprovam que uma dieta equilibrada e rica em nutrientes pode ser a chave para controlar e prevenir a asma.


“Os peixes, as frutas, as castanhas e os outros alimentos típicos da dieta mediterrânea já aparecem em vários estudos científicos como inibidores do risco da asma”, elenca o médico da Universidade Federal da Bahia e diretor do GINA Brasil (Grupo Internacional de Controle da Asma), Álvaro Cruz.

“Temos uma pesquisa feita com meninos e meninas de Salvador, ainda não publicada, que mostrou índices muito menores da doença respiratória naqueles que consumiam mais hortifrutis.”


Além da análise de Cruz, em 2009, o maior estudo feito sobre asma na infância, realizado por pesquisadores dos institutos de saúde da Alemanha, Espanha e Inglaterra, também comprovou a interferência da comida na manifestação da asma. Por 10 anos, foram acompanhados 50 mil estudantes entre 8 e 12 anos. Os casos da infecção respiratória foram igualmente distribuídos em diferentes classes sociais, mas até duas vezes menos recorrentes entre aqueles que consumiam frutas, peixes e legumes três vezes por semana ou mais.

A explicação para o efeito protetor da dieta mediterrânea é que ela é uma das mais ricas em propriedades antiinflamatórias, que fortalecem o organismo e preparam os pulmões para os eventos respiratórios. Além disso, ela também é fonte de elementos antioxidantes, os mais necessários na proteção da asma.


Você sabia que além de combater a asma, a dieta mediterrânea "anula" a barriga de chope?

Obesidade

Outra vantagem da rotina alimentícia mediterrânea é que ela ajuda a prevenir a obesidade, outro agravante da asma. Um estudo clínico também conduzido por Álvaro Cruz mostrou que nas crianças com sobrepeso as taxas de asma são até 36% maiores. Foram avaliados com testes de sangue e cutâneos (pele) 1.129 crianças entre 4 e 12 anos.


“Para ter asma é preciso ter predisposição genética, mas já conhecemos alguns fatores ambientais que aumentam o risco”, explica Cruz.


“É sabido que crianças nascidas em cesarianas têm risco duas vezes maior de ter asma. Em ambientes com pouca higiene e ventilação, além de falta de saneamento básico, as crises também ocorrem em maior número. Agora, a dieta e a obesidade se consolidam como desencadeadores deste problema respiratório, que não tem cura garantida e ainda mata 3 mil pessoas por ano no Brasil”, alerta Cruz.


Só em 2010, mostram os dados do Ministério da Saúde, foram 192.601 internações por asma registradas em hospitais brasileiros. O número ainda é considerado alarmante pelos especialistas, mas representa uma redução de 51% quando comparado aos 397.333 casos notificados em 2000.


Além do incentivo da alimentação saudável e da diminuição da obesidade em território nacional, são traçadas outras estratégias para o controle da doença no País. A distribuição gratuita de medicamentos, além da capacitação dos profissionais de saúde para acolher da melhor forma os portadores de asma são apontados como crucias no cerco à doença.


“As pessoas também precisam se conscientizar de que a asma não é corriqueira, pode provocar crises muito sérias e também matar. O que é um absurdo, já que com tratamento especializado ninguém morreria de asma”, diz Cruz.


Qual a diferença entre bronquite e asma?

Saiba como identificar as doenças que se confundem por atacarem as vias respiratórias

iG São Paulo


Muita gente faz confusão. Antigamente, inclusive, a asma era chamada de bronquite. Mas são duas patologias distintas, embora acometam a mesma região (vias respiratórias) e tenham sintomas parecidos.


Foto: Thinkstock/Getty Images Ampliar

O tratamento, inclusive com bombinha de ar, vai depender da identificação correta da doença

As características de cada uma, de acordo com o Manual Merck de Informação Médica, são:

Bronquite é a inflamação das vias respiratórias superiores (brônquios), causada geralmente por infecção (provocada por vírus, muito comum no inverno) e, por vezes, pela exposição a substâncias irritantes.

Os sintomas da bronquite são:

- Nariz pingando

- Irritação na garganta

- Cansaço

- Arrepios

- Dores nas costas e nos músculos

- Tosse

- Chiado no peito



Asma é uma doença caracterizada pelo afilamento das vias respiratórias, como resposta a alguns estímulos. Sua característica mais importante é a obstrução das vias respiratórias. A palavra asma vem do grego "asthma", que significa "sufocante". Trata-se de uma doença crônica que não pode ser prevenida, nem curada. No entanto, as crises podem ser evitadas quando se identificam e se evitam os fatores desencadeantes, como agentes alergênicos (ácaros, penas, pelos de animais) ou irritantes (fumo).

Os sintomas da asma são:

- Respiração sibilante

- Tosse seca

- Falta de ar


Mitos e verdades da pneumonia

Pesquisa revela: ainda existe muita confusão em torno da doença e isso pode atrapalhar o tratamento


Bruno Folli, iG São Paulo

Compartilhar:


Foto: Thinkstock Photos

Pneumonia: sintomas são frequentemente confundidos com os da gripe

Uma pesquisa divulgada recentemente pela Sociedade Brasileira de Pneumologia e Tisiologia (SBPT) revela que ainda existe muita confusão em torno da pneumonia. De modo geral, as pessoas confundem as causas da doença, os sintomas e as alternativas de tratamento.

Primeiro, é importante saber que a pneumonia é uma infecção das vias respiratórias, facilitada pelo enfraquecimento do sistema imunológico. A doença é a principal razão de internação hospitalar no SUS, excluídas questões relacionadas à gestação, totalizando 900 mil casos por ano, de acordo com a SBPT.


Não é raro as bactérias causadoras da pneumonia chegarem à boca, mas as defesas naturais do organismo geralmente conseguem barrá-las ou eliminá-las sem grandes consequências.

“O problema se estabelece quando há alguma baixa no sistema imunológico, como no caso de diabéticos, portadores do vírus HIV e outras doenças crônicas”, afirma Igor Bastos Polonio, membro da SBPT.

“O principal fator responsável pelo agravamento da pneumonia é o atraso do início do tratamento. A demora em procurar o médico, a automedicação ou a realização de exames inadequados levam a quadros mais graves e até mesmo à morte”, alerta Jussara Fiterman, presidente da SBPT.

A pesquisa divulgada pela entidade revela que as pessoas não sabem identificar os principais sintomas da doença, muitas vezes parecidos com os sintomas da gripe. E isso acaba postergando o início do tratamento. Sem a medicação adequada quando a doença surge, a chance de complicações é maior.

O iG Saúde ouviu médicos especializados no assunto para tirar as dúvidas mais frequentes nos consultórios médicos.



Pneumonia é uma gripe mal curada.

Errado. A gripe é causada pelo vírus Influenza e pode deixar as defesas do organismo fragilizadas, o que facilita a entrada de bactérias, vírus ou outros agentes perigosos no sistema respiratório. Pneumonia não é gripe mal curada, mas gripe e resfriados aumentam o risco de pneumonia.



Existe princípio de pneumonia.

Errado. Pneumonia é uma infecção no sistema respiratório. A pessoa está infectada ou não. A expressão princípio de pneumonia é muito usada, mas dá a falsa ideia de um estágio da doença que não existe.



A pneumonia é mais grave em idosos.

Certo. Cerca de 70% das mortes pela doença acontecem em pessoas com mais de 60 anos porque o organismo delas está mais fragilizado. Eles precisam de atenção especial para que o diagnóstico seja feito rapidamente e o tratamento tenha mais rigor.



Crianças são mais vulneráveis à pneumonia.

Certo. A pneumonia bacteriana, a mais comum, é responsável por 20% a 40% das hospitalizações de menores de 5 anos nas Américas, sendo a segunda causa de morte neste grupo. Isso acontece porque as defesas do organismo ainda estão em formação nas crianças pequenas.



Os sintomas da pneumonia são parecidos com os da gripe.

Certo. A doença pode se manifestar com dor de garganta, espirros e coriza. Mas ela geralmente evolui com mais rapidez e passa a causar tosse, febre alta, mal-estar generalizado e alteração da pressão arterial. Os sintomas devem ser devidamente avaliados por um médico, especialmente se os pacientes estiverem em grupos de risco como idosos, crianças e pessoas com imunidade reduzida.



Pneumonia pode ser adquirida pela poeira.

Errado. Poeira e poluição, de modo geral, prejudicam e reduzem as defesas naturais do organismo, podendo facilitar a contaminação do sistema respiratório. Mas a poeira, por si, não é suficiente para contaminar uma pessoa.



Problemas do coração aumentam o risco de pneumonia.

Certo. As doenças do coração, como a maioria das doenças crônicas, afetam o sistema imunológico e deixam o sistema respiratório mais vulnerável. O mesmo acontece com pacientes portadores do vírus HIV ou de diabetes.



Verão aumenta o risco de pneumonia.

Certo. O início das manhãs tem mais poluentes no ar e isso favorece o contágio de pneumonia. Mas o inverno, quando muito seco, aumenta ainda mais o risco de contágio. Clima úmido é mais favorável às defesas do sistema respiratório.



Broncopneumonia é uma forma de pneumonia.


Certo. O termo broncopneumonia é referente a um padrão radiológico, identificado em exames de Raio X, que indicam um determinado tipo de pneumonia. Tal padrão pode ajudar a identificar o agente infeccioso e dar mais informações ao médico na hora de definir a estratégia de tratamento.



Crianças devem receber vacina contra pneumonia.

Certo. Existem vacinas contra diversos tipos de pneumococos e elas são recomendadas por médicos às crianças pequenas. Isso porque o risco de complicações em casos de pneumonia é maior, além dos pneumococos poderem causar doenças mais graves, como meningite.



Ar-condicionado pode favorecer a pneumonia.

Certo. O processo de refrigeração torna o ar muito seco e isso favorece a penetração de germes causadores da pneumonia no aparelho respiratório. O controle da umidade no ambiente ajuda a evitar esse problema, além da ingestão regular de muita água, algo em torno de dois litros por dia. Ter uma boa hidratação protege os pulmões.



Ficar exposto ao vento frio pode causar pneumonia.

Certo. Exposição ao frio é um fator de risco para gripe e resfriado, especialmente se a exposição representar uma mudança brusca de temperatura. Gripes e resfriados enfraquecem o sistema imunológico e isso aumenta o risco de pneumonia.



Fumar aumenta o risco de pneumonia.

Certo. A fumaça do cigarro afeta as vias respiratórias e isso facilita a entrada de agentes maléficos aos pulmões. Os danos são causados nos cílios pulmonares, pequenos pelos que forram as vias aéreas e agem como barreira para obstruir a entrada de germes. O movimento destes cílios reduz por causa do efeito do fumo.




Saiba tudo sobre Asma


Conteúdo exclusivo para o iG no Brasil e usado pelos Institutos Nacionais de Saúde dos Estados Unidos

Definição

A asma é um distúrbio inflamatório das vias respiratórias, que causa ataques de respiração ofegante, deficiência respiratória, aperto no peito e tosse.



Nomes alternativos

Asma brônquica, asma induzida por exercício



Causas, incidência e fatores de risco

Asma é uma doença na qual a inflamação das vias aéreas faz o fluxo de ar que entra e sai dos pulmões ficar restringido.

Os músculos na árvore brônquica tornam-se contraídos e o revestimento das passagens de ar incha, reduzindo a entrada de ar e produzindo o característico som de dificuldade respiratória.

Ele é conhecido como ataque de asma, que pode ocorrer como uma reação alérgica a um alérgeno ou outra substância (asma aguda), ou como parte de um ciclo complexo de doença que pode incluir reação a estresse ou exercício (asma crônica).





Foto: ADAM

Asma

Faça o teste e descubra: você está estressado?

Em pessoas sensíveis, os sintomas da asma podem ser desencadeados pela inalação de substâncias que causam alergia (chamadas alérgenos ou desencadeadores).

Os desencadeadores comuns da asma incluem:



Animais (pelo ou caspa de animais domésticos)

Poeira

Mudanças climáticas (com mais frequência em clima frio)

Produtos químicos no ar ou nos alimentos

Exercício

Mofo

Pólen

Infecções respiratórias como o resfriado comum

Emoções fortes (estresse)

Fumo

Ácido acetilsalicílico e outros anti-inflamatórios não esteroides (AINE) provocam asma em alguns pacientes.
Exemplos: AAS - Melhoral - Aspirina 






Foto: ADAM

Brionquíolo asmático e bronquíolo normal

Várias pessoas com asma têm um histórico pessoal ou familiar de alergias, como febre do feno (rinite alérgica) ou eczema. Outros não têm nenhum histórico de alergias.

Sintomas

A maioria das pessoas com asma tem ataques separados por períodos sem sintomas.

Algumas pessoas têm deficiência respiratória por longo período com episódios de maior deficiência respiratória.

Respiração ofegante, ou uma tosse, pode ser o sintoma principal.

Os ataques de asma podem durar minutos a dias e podem se tornar perigosos se o fluxo de ar estiver muito restrito.

Os sintomas incluem:



Tosse com ou sem produção de escarro (muco)

Repuxar a pele entre as costelas durante a respiração (retrações intercostais)

Deficiência respiratória que piora com exercício ou atividade

Respiração ofegante que:

Vem em episódios com períodos intercalados sem sintomas

Pode ser pior à noite ou no início da manhã

Pode desaparecer por si mesma

Melhora quando se usa medicamentos que abrem as vias respiratórias (broncodilatadores)

Piora quando se inspira ar frio

Piora com exercício

Piora com azia (refluxo)

Em geral começa repentinamente

Situações de emergência:

Lábios e rosto de cor azulada


Nível diminuído de agilidade, como sonolência grave ou confusão, durante um ataque de asma


Extrema dificuldade de respirar


Pulsação rápida


Ansiedade grave devido à deficiência respiratória


Sudorese



Outros sintomas que podem ocorrer com essa doença:


Padrão de respiração anormal – a expiração leva mais de duas vezes do que a inspiração


A respiração para temporariamente


Dor no peito


Alargamento nasal


Aperto no tórax

Exames e testes

O teste de alergia pode ser útil para identificar alérgenos em pessoas com asma persistente.



Foto: ADAM

Desencadeadores comuns da asma






Os alérgenos comuns incluem:


Alérgenos de barata


Ácaros


Mofos


Caspa de animais domésticos


Pólens


Os irritantes respiratórios comuns incluem:


Fumaças da queima de madeira ou gás


Poluição


Fumo

O médico usará um estetoscópio para auscultar os pulmões. Sons relacionados à asma podem ser auscultados. No entanto, os sons do pulmão geralmente são normais entre episódios de asma.

Os testes incluem:


Gás no sangue arterial

Teste de sangue para medir quantidade de eosinófilo (um tipo de glóbulo branco) e IgE (um tipo de proteína do sistema imunológico chamado imunoglobulina)

Raio X torácico

Testes de funcionamento dos pulmões

Medições de pico de fluxo

Tratamento





Foto: ADAM

Espirometria

O objetivo do tratamento é evitar as substâncias que desencadeiam seus sintomas e controlar a inflamação das vias respiratórias. Você e seu médico devem trabalhar juntos como uma equipe para desenvolver e colocar em prática um plano para eliminar os desencadeadores de asma e monitorar os sintomas.

Há dois tipos básicos de medicamento para tratamento de asma:



Drogas de controle para prevenir ataques

Drogas de alívio imediato para usar durante os ataques

As drogas de controle para asma controlam seus sintomas se você não tiver asma branda. Você deve tomá-las todos os dias para que elas funcionem. Ingira-as mesmo quando você se sentir bem.

As drogas de controle mais comuns são:

Corticosteroides inalados previnem sintomas ajudando a evitar que suas vias respiratórias inchem.

Os inaladores com beta-agonistas de ação prolongada também ajudam a prevenir sintomas de asma. Não tome drogas de inaladores com beta-agonistas de ação prolongada sozinhas. Essas drogas geralmente são usadas em conjunto com uma droga esteroide inalada. Pode ser mais fácil usar um inalador que contenha ambas as drogas.

Outras drogas de controle que podem ser usadas são:

Inibidores de leucotrienos

Omalizumab que bloqueia o caminho que o sistema imunológico usa para desencadear os sintomas da asma

Cromoglicato ou Nedocromil

Aminofilina ou teofilina (raras vezes usada atualmente)



Foto: ADAM

Uso do inalador com dosagem medida - série

Drogas de alívio imediato da asma funcionam rápido para controlar os sintomas da asma:

Você as ingere quando está tossindo, com respiração ofegante, tendo dificuldades para respirar ou tendo um ataque de asma. Elas também são chamadas drogas de "resgate".

Além disso, podem ser usadas imediatamente antes do exercício para ajudar a prevenir sintomas de asma que são causados por exercício.

Informe o seu médico se você estiver usando medicamentos de alívio imediato duas vezes por semana ou mais para controlar os sintomas de asma. Sua asma pode não estar sob controle e seu médico pode precisar alterar sua dose diária de drogas de controle.

As drogas de alívio imediato incluem:

Broncodilatadores de curta duração (inaladores

Seu médico pode prescrever esteroides orais (corticosteroides) quando você tiver um ataque de asma que não esteja passando. Esses são medicamentos que você toma via oral como comprimidos, cápsulas ou líquido. Planeje antecipadamente. Certifique-se de não ficar sem esses medicamentos.

Um ataque de asma grave requer umcheck-up por um médico. Você também pode precisar de uma estada no hospital, oxigênio e medicamentos por via intravenosa (IV).

Os planos de ação para a asma são documentos escritos para uma pessoa com asma.

Um plano de ação para a asma deve incluir:

Um plano para tomar medicamentos para asma quando sua condição estiver estável

Uma lista de desencadeadores de asma e como evitá-los

Como reconhecer quando sua asma está piorando e quando chamar seu médico ou enfermeiro



Foto: ADAM

Medidor de pico de fluxo

Um medidor de pico de fluxo é um dispositivo simples para medir a rapidez com que você pode mover o ar para fora de seus pulmões.

Ele pode ajudar você a observar se um ataque está chegando, às vezes mesmo antes de qualquer sintoma aparecer. As medições de pico de fluxo podem ajudar a mostrar quando o medicamento é necessário ou outra ação precisa ser tomada

Valores de pico de fluxo de 50 a 80% dos melhores resultados de uma pessoa específica são um sinal de um ataque de asma moderado, enquanto os valores abaixo de 50% são um sinal de um ataque grave



Grupos de apoio

Muitas vezes você pode reduzir a tensão causada pela doença participando de um grupo de apoio em que os membros compartilham experiências e problemas comuns.


Evolução (prognóstico)

Não há cura para asma, embora os sintomas às vezes melhorem ao longo do tempo. Com o autogerenciamento e o tratamento médico apropriados, a maioria das pessoas com asma pode levar uma vida normal.

Complicações





Foto: ADAM

Asma induzida por exercício

As complicações da asma podem ser graves. Algumas incluem:



Óbito


Capacidade reduzida de se exercitar e tomar parte em outras atividades


Falta de sono devido a sintomas noturnos


Alterações permanentes no funcionamento dos pulmões


Tosse persistente


Dificuldade para respirar que requer ajuda na respiração (ventilação)


Ligando para seu médico


Marque uma consulta com seu médico se você apresentar os sintomas da asma.


Ligue para o seu médico ou vá para o pronto-socorro se:






Um ataque de asma exigir mais medicamento do que o recomendado


Os sintomas piorarem ou não melhorarem com tratamento


Tiver dificuldade para respirar enquanto fala


Sua medição de pico de fluxo for 50% a 80% do seu recorde pessoal


Vá para o pronto-socorro se:


Apresentar sonolência ou confusão


Tiver dificuldade grave para respirar em repouso


Sua medição de pico de fluxo for mais baixa que 50% do seu recorde pessoal


Tiver dor forte no peito



Prevenção


Você pode reduzir os sintomas da asma evitando desencadeadores conhecidos e substâncias que irritam as vias respiratórias.


Cubra roupas de cama com coberturas à prova de alergia para reduzir a exposição a ácaros


Remova os tapetes dos dormitórios e passe aspirador de pó regularmente


Use somente detergentes e materiais de limpeza inodoros na casa


Mantenha os níveis de umidade baixos e conserte vazamentos para reduzir o desenvolvimento de organismos como o mofo


Mantenha a casa limpa e mantenha o alimento em recipientes e fora dos dormitórios -- isso ajuda a reduzir a possibilidade de baratas, as quais podem desencadear ataques de asma em algumas pessoas


Se uma pessoa for alérgica a um animal que não pode ser removido da casa, o animal deve ser mantido fora do dormitório. Coloque material filtrante nas saídas de aquecimento para reter caspa de animais


Elimine a fumaça de cigarro da casa. Esta é a única coisa mais importante que uma família pode fazer para ajudar uma criança com asma. Fumar fora da casa não é suficiente. Os membros da família e os visitantes que fumam fora carregam resíduos da fumaça para dentro de casa em suas roupas e cabelo -- isso pode desencadear sintomas da asma


As pessoas com asma também devem evitar poluição do ar, poeiras industriais e outras fumaças irritantes o máximo possível.




Referências

National Asthma Education and Prevention Program Expert Panel Report 3: Guidelines for the Diagnosis and Management of Asthma. Rockville, MD. National Heart, Lung, and Blood Institute, US Dept of Health and Human Services; 2007. NIH publication 08-4051.

Wechsler ME. Managing asthma in primary care: putting new guideline recommendations into context. Mayo Clin Proc. 2009;84:707-717.

Fanta CH. Asthma. N Engl J Med. 2009;360:1002-1014.



Lâmpadas de Baixo Consumo - Perigo

Utilidade Pública – Lâmpadas de Baixo Consumo - Perigo


Atenção especial para as lâmpadas de baixo consumo, conhecidas também como Lâmpadas Eletrônicas .


Se alguma delas se partir, siga as instruções do Ministério da Saúde Britânico (visto que o nosso ministério não dá a mínima para nós mesmos) para evitar graves danos a sua saúde causados pelo mercúrio:





A recomendação é evacuar o ambiente e ficar ausente por, pelo menos, 15 minutos.


MOTIVO: elas contém mercúrio (venenoso), que, se inalado, causa enxaqueca, desorientação, desequilíbrio e outros males diversos com diferentes tipos de problemas que atacam a saúde animal e humana, em especial.


Tocar ou inalar a poeira branca que se desprende da lâmpada partida causa alergia, doenças de pele...


O Ministério da Saúde inglês alerta ainda: não usar aspirador de pó para limpar os restos da lâmpada quebrada, pois, ao ser usado novamente, o aspirador de pó espalhará a contaminação para outros ambientes da casa.


Use uma pá e vassoura ou escova comum para fazer a limpeza, jogue os restos em um saco plástico, amarre-o, para manter o refugo lacrado, e jogue-o no coletor de lixo para materiais perigosos.


Aviso: O mercúrio é perigoso e muito venenoso tanto quanto o chumbo ou o arsênio!


Geralmente quem foi intoxicado pelo vapor do mercúrio pode apresentar sintomas como dor de estômago, diarreia, tremores, depressão, ansiedade, gosto de metal na boca, dentes moles com inflamação e sangramento na gengiva, insônia, falhas de memória e fraqueza muscular, nervosismo, mudanças de humor, agressividade, dificuldade de prestar atenção e até demência. Mas pode contaminar-se também através de ingestão. No sistema nervoso, o produto tem efeitos desastrosos, podendo dar causa a lesões leves e até à vida vegetativa ou à morte, conforme a concentração.


=

Então, como recolher / descartar os cacos da lâmpada:




1) Se possível use uma máscara evitando inalar o vapor do Mercúrio.


2) Use uma luva de borracha para pegar cuidadosamente os cacos da lâmpada quebrada, inclusive o que sobrou dela.


3) Coloque os cacos / sobras da lâmpada sobre um pano/flanela velha (nunca use jornal) embrulhando bem, e coloque (o pano com os cacos) dentro de um saco plástico. Amarre a boca do saco plástico.


4) Descarte o saco plástico (com os resíduos da lâmpada) em local adequado, algum ecoponto para descarte de baterias de celular ou pilhas comuns (lojas como a Leroy Merlin, Supermercados Pão de Açucar, tem este serviço).


Fonte: BBC-UK

http://architetandoverde.blogspot.com/2011/06/descarte-de-lampadas-eletronicas.html



As Lâmpadas Fluorescentes e seu impacto na Saúde Humana


Bruno Fernando Gianelli

Notícia publicada na edição de 25/01/2011 do Jornal Cruzeiro do Sul, na página 2 do caderno A - o conteúdo da edição impressa na internet é atualizado diariamente após as 12h.


"Ninguém questiona o benefício da eficiência energética das lâmpadas fluores centes, mas o seu impacto pós uso não é sequer considerado"


Há pouco tempo, o jornal Cruzeiro do Sul relatou o descarte indevido de centenas de lâmpadas fluorescentes às margens do rio Sorocaba, sendo que cada uma dessas lâmpadas possui, em seu interior, em média de 15 mg de mercúrio.


Levando-se em conta também a grande quantidade, foram necessários mais de quatro contêineres para a retirada total das lâmpadas. Assim, o potencial de contaminação, não apenas no entorno do rio, mas também para a população que consome água e peixes, pode ser considerado muito grave.


Bruno Fernando Gianelli é professor universitário e aluno de doutorado do Programa de Pós-Graduação em Ciência e Tecnologia de Materiais da Unesp de Sorocaba, onde participa de vários projetos científicos e tecnológicos.


http://www.cruzeirodosul.inf.br/materia.phl?editoria=44&id=388586







Coca-Cola, o drink da morte‏








Na verdade, a fórmula "secreta" da Coca-Cola (CC) se desvenda em 18 segundos em qualquer espectrômetro-ótico, e basicamente até os cachorros a conhecem. Só que não dá para fabricar igual, a não ser que você tenha uns 10 bilhões de dólares para brigar com a CC na justiça, porque eles vão cair matando.


A fórmula da Pepsi tem uma diferença básica da CC e é proposital exatamente para evitar processo judicial. Não é diferente porque não conseguiram fazer igual não, é de propósito, mas próximo o suficiente para atrair o consumidor da CC que quer um gostinho diferente com menos sal e açúcar.

Entre outras coisas, fui eu quem teve que aprender tudo sobre refrigerante gaseificado para produzir o guaraná Dolly aqui, que usa o concentrado Brahma. Está no mercado até hoje, mas falhou terrivelmente em estratégia promocional e vende só para o mercado local, tudo isso devido à cabeça dura de alguns diretores.

Tive que aprender química, entender tudo sobre componentes de refrigerantes, conservantes, sais, ácidos, cafeína, enlatamento,produção de label de lata, permissões, aprovações e muito etc. e tal. Montei um mini-laboratório de análise de produto, equipamento até para analisar quantidade de sólidos, etc. Até desenvolvi programas para PC para cálculo da fórmula com base nos volumes e tipo de envasamento (plástico ou alumínio), pois isso muda os valores e o sabor. Tivemos até equipe de competição em stock- car ...

Tire a imensa quantidade de sal que a CC usa (50mg de sódio na lata) e você verá que a CC fica igualzinha a qualquer outro refrigerante sem-vergonha e porcaria, adocicado e enjoado.

É exatamente o Cloreto de Sódio em exagero (que eles dizem ser "very low sodium") que refresca e ao mesmo tempo dá sede em dobro, pedindo outro refrigerante, e não enjoa porque o tal sal mata literalmente a sensibilidade ao doce, que também tem de montão: 39 gramas de "açúcar" (sacarose).

É ridículo, dos 350 gramas de produto líquido, mais de 10% é açúcar. Imagine numa lata de CC, mais de 1 centímetro e meio da lata é açúcar puro... isso dá aproximadamente umas 3 colheres de sopa CHEIAS DE AÇÚCAR POR LATA !...

- Fórmula da COCA-COLA ?...

Simples: Concentrado de Açúcar queimado - Caramelo - para dar cor escura e gosto; ácido ortofosfórico (azedinho); sacarose - açúcar (HFCS- High Fructose Corn Syrup - açúcar líquido da frutose do milho); extrato da folha da planta COCA (África e Índia) e poucos outros aromatizantes naturais de outras plantas, cafeína, e conservante que pode ser Benzoato de Sódio ou Benzoato de Potássio, Dióxido de carbono de montão para fritar a língua quando você a toma e junto com o sal dar a sensação de refrigeração.

O uso de ácido ortofosfórico e não o ácido cítrico como todos os outros usam, é para dar a sensação de dentes e boca limpa ao beber, o fosfórico literalmente frita tudo e em quantidade pode até causar decapamento do esmalte dos dentes, coisa que o cítrico ataca com muito menor violência, pois o artofosfórico"chupa" todo o cálcio do organismo, podendo causar até osteoporose, sem contar o comprometimento na formação dos ossos e dentes das crianças em idade de formação óssea, dos 2 aos 14 anos. Tente comprar ácido fosfórico para ver as mil recomendações de segurança e manuseio (queima o cristalino do olho, queima a pele, etc.).

Só como informação geral, é proibido usar ácido fosfórico em qualquer outro refrigerante, só a CC tem permissão... (claro, se tirar, a CC ficará com gosto de sabão).

O extrato da coca e outras folhas quase não mudam nada no sabor, é mais efeito cosmético e mercadológico, assim como o guaraná, você não sente o gosto dele, nem cheiro, (o verdadeiro guaraná tem gosto amargo) ele está lá até porque legalmente tem que estar (qeustão de registro comercial), mas se tirar você nem nota diferença no gosto.

O gosto é dado basicamente pelas quantidades diferentes de açúcar, açúcar queimado, sais, ácidos e conservantes. Tem uma empresa química aqui em Bartow, sul de Orlando. Já visitei os caras inúmeras vezes e eles basicamente produzem aromatizantes e essências para sucos.

Sais concentrados e essências o dia inteiro, caminhão atrás de caminhão!

Eles produzem isso para fábricas de sorvete, refrigerantes, sucos, enlatados, até comida colorida e aromatizada.

Visitando a fábrica, pedi para ver o depósito de concentrados das frutas, que deveria ser imenso, cheio de reservatórios imensos de laranja, abacaxi, morango, e tantos outros (comentei)... O sujeito olhou para mim, deu uma risadinha e me levou para visitar os depósitos imensos de corantes e mais de 50 tipos de componentes químicos. O refrigerante de laranja, o que menos tem é laranja; morango, até os gominhos que ficam em suspensão são feitos de goma (uma liga química que envolve um semi-polímero). Abacaxi é um festival de ácidos e mais goma. Essência para sorvete de Abacate? Usam até peróxido de hidrogênio (água oxigenada) para dar aquela sensação de arrasto espumoso no céu da boca ao comer, típico do abacate.


O segundo refrigerante mais vendido aqui nos Estados Unidos é o Dr. Pepper, o mais antigo de todos, mais antigo que a própria CC. Esse refrigerante era vendido obviamente sem refrigeração e sem gaseificação em mil oitocentos e pedrada, em garrafinhas com rolha como medicamento, nas carroças ambulantes que você vê em filmes do velho oeste americano. Além de tirar dor de barriga e unha encravada, também tirava mancha de ferrugem de cortina, além de ajudar a renovar a graxa dos eixos das carroças. Para quem não sabe, Dr. Pepper tem um sabor horrível, e é muito fácil de experimentar em casa: pegue GELOL spray, aquele que você usa quando leva um chute na canela, e dê um bom spray na boca! Esse é o gosto do tal famoso Dr.Pepper que vende muito por aqui.


- Refrigerante DIET


Quer saber a quantidade de lixo que tem em refrigerante diet? Não uso nem para desentupir a pia, porque tenho pena da tubulação de pvc...


Olha, só para abrir os olhos dos cegos : os produtos adocicantes diet têm vida muito curta.O spartame, por exemplo, após 3 semanas de molhado passa a ter gosto de pano velho sujo.


Para evitar isso, soma-se uma infinidade de outros químicos, um para esticar a vida do aspartame, outro para dar buffer (arredondar) o gosto do segundo químico, outro para neutralizar a cor dos dois químicos juntos que deixam o líquido turvo, outro para manter o terceiro químico em suspensão, senão o fundo do refrigerante fica escuro, outro para evitar cristalização do aspartame, outro para realçar, dar "edge" no ácido cítrico ou fosfórico que acaba sofrendo pela influência dos 4 produtos químicos iniciais, e assim vai... a lista é enorme.

Depois de toda essa minha experiência com produção e estudo de refrigerantes, posso afirmar:

Sabe qual é o melhor refrigerante?


Água filtrada, de preferência duplamente filtrada, laranja ou limão espremido e gelo, mais nada, nem açúcar nem sal.



Leia mais: http://www.libertar.in/2010/09/coca-cola-o-drink-da-morte.html#ixzz1ubjG75Xf

Cidade brasileira se recusa a votar, ótimo exemplo.

quinta-feira, 19 de julho de 2012

Tireoide, tire suas dúvidas.

Saiba quais são os sinais e sintomas que ajudam a identificar o hipotireoidismo


Doença bastante comum e potencialmente séria pode passar despercebida.

Alimentos que auxiliam no funcionamento da tireoide.

Glândula precisa de nutrientes, como o iodo, para produção de hormônios



Escrito por:

Danilo Höfling
Endocrinologia




Especialista Minha Vida

O hipotireoidismo é o conjunto de sintomas e sinais clínicos resultantes da secreção insuficiente dos hormônios tireóideos para suprir as necessidades do organismo. Pode, também, ser decorrente da falha da ação dos hormônios produzidos pela glândula tireoide. A deficiência hormonal é potencialmente séria e, frequentemente, pode passar despercebida. Em contrapartida, é de fácil diagnóstico e tratamento.



Várias doenças podem provocar o hipotireoidismo, contudo, a Tireoidite Crônica Autoimune - também chamada de Tireoidite de Hashimoto - é a mais frequentemente responsável pelo seu aparecimento. Ela ocorre mais comumente em áreas geográficas onde a dieta é insuficiente em iodo, tais como o Brasil. Nesse tipo de tireoidite são produzidas reações imunes contra as próprias estruturas do corpo humano. Em outras palavras, o organismo passa a atacar e destruir suas próprias células. Neste caso, as da glândula tireoide.



Há algumas condições que podem predispor as pessoas a um maior risco de desenvolver hipotireodismo - tais como o histórico familiar de Tireoidite de Hashimoto na família-, quem foi submetido à radioterapia da região cervical ou à cirurgia do pescoço, quem têm outras doenças autoimunes (lúpus, vitiligo, artrite reumatoide etc.) e as mulheres no período pós-parto.



As manifestações clínicas do hipotireoidismo são muitas, incluem vários aparelhos e sistemas orgânicos e dependem da intensidade da carência de hormônios tireóideos. O diagnóstico é baseado nas manifestações clínicas e nos testes laboratoriais. As principais manifestações clínicas do hipotireoidismo são:



•Aumento de peso

•Bradicardia (redução da frequência de batimentos cardíacos por minuto)

•Cabelos secos e frágeis

•Cãibra

•Cansaço

•Constipação intestinal

•Depressão

•Derrame pleural

•Diminuição da memória

•Dispneia (sensação de falta de ar)

•Alterações do ciclo e do fluxo menstrual

•Dor muscular

•Edema de face, especialmente das pálpebras

•Edema de mãos, pernas (que não deprime após a compressão) e pés

•Fraqueza

•Aumento do colesterol total e incremento do LDL colesterol

•Intolerância ao frio

•Mãos e pés frios

•Parestesias (formigamentos)

•Pele seca, delgada, pálida ou amarelada (excesso de caroteno - carotenose)

Fatores de risco e diagnóstico

É claro que esses sintomas e sinas são comumente encontrados em pessoas sem hipotireoidismo, uma vez que podem ser provocados por muitas razões. Dessa maneira, tais manifestações clínicas têm maior probabilidade de indicar hipotireoidismo quando estão combinadas e seu aparecimento é recente.



Várias doenças podem provocar o hipotireoidismo, contudo, a Tireoidite Crônica Autoimune - também chamada de Tireoidite de Hashimoto - é a mais frequentemente responsável pelo seu aparecimento. Diante de uma suspeita clínica, a dosagem sérica de tireotropina (o TSH, hormônio produzido pela hipófise que tem a função de estimular a fabricação dos hormônios tireóideos) e tetraiodotironina livre (T4 livre, um dos hormônios produzidos pela tireoide) é, na maioria das vezes, suficiente para estabelecer o diagnóstico do hipotireoidismo. As determinações das concentrações de anticorpos antitireoideos no sangue (anticorpos produzidos pelo sistema imune de um indivíduo contra substâncias de sua própria tireoide) são importantes para estabelecer a causa da doença, que é mais comumente associada à Tireoidite de Hashimoto.



Adultos com hipotireoidismo sintomático têm, frequentemente, os níveis sanguíneos de TSH acima de 10 mU/L, associadas às de T4 total ou livre abaixo dos valores de referência. Outros adultos apresentam hipotireoidismo menos intenso, com os níveis sanguíneos de TSH, habitualmente, entre 5 mU/L e 10 mU/L, mas as de T4 total e/ou livre encontram-se dentro dos valores de referência. Tal condição nomeia-se hipotireoidismo subclínico.



Acompanhamento

Uma vez estabelecido o diagnóstico de hipotireoidismo, é indicado o início da terapia de reposição com hormônio tireóideo (levotiroxina). A finalidade é normalizar as concentrações dos hormônios tireóideos e do TSH.



Vale lembrar que o acompanhamento constante dos pacientes com hipotireoidismo é muito importante. Eles devem ser avaliados sistematicamente e não, simplesmente, tomar a levotiroxina e esquecer completamente da tireoide. Isso porque as doses necessárias de levotiroxina podem variar periodicamente. Uma situação comum e, infelizmente, pior, é a descontinuação do tratamento por parte de alguns pacientes. Além de provocar sintomas e sinais de hipotireoidismo, isso também pode aumentar o risco de doenças cardiovasculares, por exemplo.



É particularmente preocupante quando as mulheres em idade fértil suspendem seu tratamento, pois, se engravidarem, a falta de hormônio tireóideo pode levar a sérios problemas de desenvolvimento do sistema nervoso do feto. Entretanto, todos esses inconvenientes podem ser facilmente prevenidos quando se faz um monitoramento adequado com um especialista.



Selênio: essencial ao bom funcionamento da tireóide



Dra. Glaucia Duarte é médica endocrinologista

Reposição do micronutriente reduz prevalência da tiroidite pós-parto
O selênio é importante na nutrição humana e animal. Está presente em uma enzima antioxidante (glutationa peroxidase), que atua impedindo a formação excessiva de radicais livres e no controle de processos envolvendo estresse orgânico. Também é necessário na tireóide, atuando na conversão do hormônio T4 em sua forma mais ativa, T3. A ingestão recomendada a um adulto é de 55 a 70 mcg (microgramas) e as principais fontes nutricionais onde ele está presente são a castanha-do-Pará (que contém 120 mcg em apenas uma unidade), nos frutos do mar, aves e carnes vermelhas, além de nos grãos de aveia e no arroz integral.


Sua deficiência pode causar dores e sensibilidade muscular, alterações no pâncreas e, estudos relatam, maior suscetibilidade em alguns casos de câncer. Seu excesso, em contrapartida, provoca fadiga muscular, alterações vasculares, queda de cabelo, unhas fracas, alterações no esmalte dos dentes, dermatites e vômito.

Devido à sua ação no sistema imunológico, combatendo os danos causados pelo excesso de oxidação, o selênio está associado à modulação de processos inflamatórios, como a tiroidite pós-parto.

É uma doença caracterizada pelo hipertiroidismo seguida de hipotireoidismo, ambos transitórios ou permanentes. Ocorre em 5 a 9% das puérperas em até 12 meses pós-parto e é mais comum em mulheres já predispostas a desenvolver a doença, ou seja, que já tinham os anticorpos antitireodianos pré-existentes e, durante a gravidez, pelo aumento dos títulos destes auto-anticorpos, terminam com um distúrbio auto-imune precipitado por alterações imunológicas do puerpério.

Pesquisas mostram a persistência do hipotireoidismo em 20 a 30% dos casos. Em um estudo, realizado por Negro et al, 77 mulheres com anticorpos antitireoidianos foram suplementadas, durante e após a gestação, com 200 mcg de selênio ao dia.

A prevalência de tiroidite pós-parto foi menor naquelas que usaram a suplementação (28,6%) quando comparadas às que não suplementaram (48,6%). O autor concluiu que os resultados são promissores, mas ainda não se deve generalizar a suplementação como consenso a todas as gestantes, deverá ser uma indicação futura àquelas com sinais de tiroidite.


Mas, o que deve, sim, ser uma prática, é a dosagem de hormônios na gestação e no puerpério, fazendo um rastreamento preventivo da tiroidite pós-parto.


Dra. Glaucia Duarte é médica endocrinologista, doutorada em Endocrinologia e membro da Sociedade Brasileira de Endocrinologia e Metabologia (SBEM), da Sociedade Latino Americana de Tireóide e do ICCIDD (International Council for the Control of Iodine Deficiency).

Para saber mais, acesse: http://draglauciaduarte.wordpress.com/



Entendendo a tireóide


Ela regula o metabolismo e determina engordas e emagrecimentos

Por Especialista

Escrito por:

Wagner Montenegro

Cirurgia plástica


Especialista Minha Vida

Cerca de 15% das mulheres sofrem com problemas na glândula que parece uma gravata-borboleta, a tireóide. Ela fica no pescoço e produz os hormônios triiodotironina (T3) e tiroxina (T4), fundamentais para o equilíbrio do funcionamento do metabolismo.

Nas últimas décadas, a evolução da medicina possibilitou o diagnóstico de doenças da tireóide com um simples teste de sangue, que mede a quantidade de hormônio TSH no organismo. Ele é responsável por estimular a tireóide. Por isso, a paciente que emagrece rápido demais ou engorda também rapidamente, é muito comum receber instruções do médico para realizar o teste, tornando muito mais fácil o tratamento, quando o problema é diagnosticado precocemente.

Os famosos Hipotiroidismo e Hipertiroidismo provocam sintomas opostos, mas nenhum é menos perigoso que o outro. No primeiro, a tireóide produz menos hormônio do que deveria e por esse motivo o metabolismo fica desacelerado. Os primeiros sintomas são sonolência, dificuldade de concentração, intestino preso, aumento da menstruação, intolerância ao frio, pele seca e fria, ganho de peso e queda de cabelo. Na segunda doença a tireóide se comporta de maneira oposta. Ela produz mais hormônio do que o necessário e, com isso, acelera o metabolismo. As conseqüências também são inversas. A pessoa sente calor, ansiedade, dificuldade de dormir, ausência ou atraso da menstruação, pele úmida e quente, intestino solto, agitação e emagrecimento.

O tratamento para as duas doenças é realizado com reposição hormonal e deve ser realizado pelo resto da vida, mas funciona muito bem e é a única maneira de deixar a tireóide equilibrada e funcionando direitinho.



Hipotireoidismo: oito dúvidas sobre a doença da tireoide


Ela não tem cura, mas tratamento garante qualidade de vida do paciente

Por Ana Maria Madeira

A tireoide é uma glândula endócrina que existe para harmonizar o funcionamento do organismo. Localizada no pescoço, é responsável pela produção de dois hormônios o T3 (tri-iodotironina) e o T4 (tiroxina), que estimulam o metabolismo e interferem no desempenho de órgãos como coração e rins, chegando a alterar o ciclo menstrual. De acordo com o IBGE, as doenças endócrinas, como diabetes, obesidade e disfunções na tireoide respondem pela segunda causa que mais mata mulheres no país (7,8%), atrás apenas das doenças cardiovasculares.

Por toda essa importância, a glândula tireoide precisa estar em perfeita ordem. Quando isso não acontece, o próprio corpo dá o alerta. Os tipos mais comuns de disfunção da tireoide são:


1. hipertireoidismo (liberação de hormônios em excesso, que aceleram muito o metabolismo);


2. hipotireoidismo (a glândula libera o T3 e o T4 em menor quantidade do que o necessário). No segundo caso e mais comum, o hipotireoidismo, os sintomas mais frequentes são desânimo, cansaço, sonolência, pele seca, inchaço dos olhos, lentidão física e mental. A doença costuma atingir vários membros de uma mesma família. Porém, o diagnóstico nem sempre é fácil, pois os sintomas podem ser atribuídos a outras doenças que se manifestam de forma semelhante, como depressão e anemia. A seguir, a endocrinologista Laura Ward, da Unicamp, esclarece oito dúvidas mais comuns sobre o hipotireoidismo.



1.Os sintomas podem ser identificados com clareza?

Os sintomas, infelizmente, são pouco específicos e se instalam lentamente, o que pode confundir as pessoas. Além disso, podem atingir vários órgãos, pois a tireoide é importante para regular o funcionamento de alguns sistemas do corpo, como cardiovascular, gástrico e nervoso. São: sentir frio, mesmo quando a temperatura não está baixa; desânimo; falta de interesse de todos os tipos, incluindo interesse para atividades corriqueiras ou prazerosas; lentidão de fala, de pensamento e de batimentos cardíacos; problemas no intestino (constipação, prisão de ventre), lentidão de reflexos; pele ressecada; cabelos e unhas quebradiços.



2.Por que o hipotireoidismo ocorre mais em mulheres e se manifesta predominantemente a partir de certa idade?

Não se sabe com exatidão por que o distúrbio afeta mais mulheres, mas acredita-se que um dos fatores seja a maior incidência, na fase da menopausa, da doença de Hashimoto ou tireoidite crônica, doença autoimune da tireoide em que o corpo produz anticorpos que atacam a tireoide, fazendo deste distúrbio a principal causa do hipotireoidismo. Durante o climatério, período em que as doenças autoimunes são mais frequentes, é possível que o metabolismo de hormônios, como estrógeno, esteja produzindo fatores desencadeantes para doenças autoimunes, entre as quais a doença de Hashimoto.



3.Como saber se estou no grupo de risco da doença?

São fatores de risco para o hipotireoidismo: a existência de outras doenças autoimunes (lúpus, artrite reumatoide, vitiligo, diabetes de tipo 1), a presença de bócio (aumento de volume da tireoide) e a existência de doença de tireoide na família.



4.Quais exames costumam ser feitos para o diagnóstico?

Eles devem ser feitos periodicamente? O exame mais comum para identificar os níveis dos hormônios da tireoide chama-se dosagem de TSH sérico. Recomenda-se que todas as pessoas acima de 60 anos realizem uma dosagem de TSH anual e que mulheres, particularmente aquelas que apresentam fatores de risco, dosem o TSH a partir dos 30 anos. Além disso, gestantes também devem realizar o exame periodicamente.



5.O hipotireoidismo tem cura?

Não existe uma cura definitiva para a doença, mas o controle pode fazer com que o paciente leve uma vida normal. O tratamento mais comum é feito com reposição hormonal, geralmente com hormônio sintético da tireoide, em geral, na forma de comprimido, que deve ser tomado diariamente pelo resto da vida. Mas vale o alerta: se estiver com falta ou excesso de medicação, podem aparecer os sintomas opostos, de hipertireoidismo. Os mais comuns são: agitação física e mental, insônia, irritação e perda de peso.



6.Quais são as possíveis consequências mais graves, se não houver tratamento?

A falta do hormônio tireoidiano pode levar ao coma mixedematoso, que é quando o paciente tem queda da temperatura corporal e ocorre a lentidão de todas as funções do organismo. Isso acarreta uma fragilização do sistema imune, facilitando a instalação de outras doenças, como pneumonia e infecções. O hipotireoidismo também pode afetar de forma importante o coração e os ossos, por isso é importante seguir o tratamento prescrito pelo médico.



7.O hipotireoidismo provoca aumento de peso?

Existe uma relação complexa entre as doenças da tireoide, o peso corporal e o metabolismo. Os hormônios tireoidianos também regulam o metabolismo, e a taxa metabólica basal também pode diminuir na maioria dos pacientes com hipotireoidismo, devido à baixa nos hormônios. No entanto, esse ganho de peso é menor e menos dramático do que o ocorre nos pacientes com hipertireoidismo.



8.O que é essencial para controlar o hipotireoidismo?


Se o paciente estiver com a medicação ajustada adequadamente, sua rotina não será muito afetada. A recomendação é a mesma válida para pessoas sem a doença, que é seguir hábitos de vida saudáveis. É fundamental manter uma alimentação equilibrada, rica em vegetais e frutas. Também é essencial praticar exercícios físicos regulares para a manutenção do peso para afastar a obesidade e seus efeitos negativos, como hipertensão, diabetes, aumento do colesterol e problemas cardiorrespiratórios. Não há grandes restrições em relação às atividades físicas, mas antes de começar a se exercitar o paciente deve sempre consultar seu médico.


Oito alimentos que auxiliam no funcionamento da tireoide.

Situada no pescoço e com formato que lembra uma borboleta, a glândula tireoide é fundamental para liberar hormônios que garantem o funcionamento de todo o organismo. "Quando algo não vai bem, ou seja, quando há hipotireoidismo (produção insuficiente de hormônios) ouhipertireoidismo (produção exagerada de hormônios), desde pele até coração podem ser afetados", explica a endocrinologista Vivian Ellinger, presidente da Sociedade Brasileira de Endocrinologia e Metabologia (SBEM) - regional Rio de Janeiro.

E o problema é mais comum do que parece. Segundo dados do Instituto da Tireoide, 15% da população acima de 45 anos sofre de problemas na tireoide. Entre as principais causas de problemas na tireoide está uma dieta desequilibrada, relacionada especialmente ao consumo de iodo, além de outros nutrientes, como o selênio. No Dia Internacional da Tireoide, comemorado em 25 de maio, separamos oito alimentos que garantem o bom funcionamento dessa glândula tão importante.



Algas marinhas

Algas marinhas são uma fonte riquíssima de iodo e ainda oferecem uma quantidade considerável de selênio, nutrientes fundamentais para a produção de hormônios pela tireoide, explica o nutrólogo Roberto Navarro, membro da Associação Brasileira de Nutrologia (ABRAN). Mas não exagere no consumo. "Como o sal já é rico em iodo, a ingestão reforçada desse alimento deve ser feita apenas por quem apresenta deficiência desse elemento", alerta.

Segundo o médico, o excesso de iodo pode levar ao hipotireoidismo, que é a baixa produção de hormônios pela tireoide. A quantidade ideal recomendada para um adulto saudável é de 150 microgramas por dia, que pode ser facilmente atingida sem qualquer adição extra de sal à comida pronta.




Castanha-do-pará

Rica em selênio e ômega-3, uma gordura poli-insaturada, a castanha-do-pará fornece nutrientes que servem de matéria-prima para a produção de hormônios pela tireoide. "O ideal é consumir uma ou duas castanhas por dia", afirma a nutricionista Daniela Cyrulin, da Nutri & Consult, em São Paulo.

A especialista também sugere adicionar a oleaginosa triturada em saladas, no arroz, em saladas de frutas ou até empanando peixes. Lembre-se apenas de consumir a castanha com moderação, já que ela é altamente calórica. Uma única unidade oferece 27 calorias.



Quinua

"Por ser uma ótima fonte de proteínas vegetais, a quinua é muitas vezes comparada à soja", aponta Roberto Navarro. O alimento é rico em cálcio, ferro, fibras, magnésio, potássio e zinco. Quando o assunto é tireoide, entranto, quem ganha destaque mesmo é o selênio. A quantidade recomendada de ingestão de quinua é de duas colheres por semana, que podem ser adicionadas à salada, ao risoto ou, no caso da versão em flocos, a frutas e shakes.



Óleo de peixe

Assim como as algas marinhas, o óleo de peixe também é rico em iodo, diz a nutricionista Daniela. Só fique atento para escolher as opções certas: salmão, sardinha e atum. O nutriente também pode ser encontrado em opções vegetais, como a chia e a linhaça. "O consumo recomendado é de 120 g de peixe três vezes por semana ou duas cápsulas de 1.000 mg para suplementação por dia", explica a especialista. No caso do uso de suplementos, um profissional deve ser consultado.



Leite e derivados

Cálcio, vitamina D, vitamina A e iodo são os principais nutrientes presentes no leite. "Estes dois últimos são alguns dos principais responsáveis pelo bom funcionamento da tireoide", afirma Daniela Cyrulin. A quantidade diária recomendada é de três porções, podendo ser um copo de leite no período da manhã, um iogurte à tarde e duas fatias de queijo branco no fim do dia.



Gema do ovo

A gema de ovo é conhecida por seus componentes antioxidantes, que favorecem principalmente a saúde ocular. Mas a pequena quantidade de iodo presente no alimento também é importante para a produção de hormônios pela tireoide. Além disso, a gema apresenta carotenoides (responsáveis pela cor amarelo alaranjada) que são uma pré-vitamina A, também importante para a glândula. "Uma parte davitamina A que o corpo recebe já vem pronta e outra parte vem por meio de nutrientes que o próprio corpo transforma em vitamina A, que é o caso dos carotenoides", esclarece o nutrólogo Roberto. Desde que não seja frito, ovos podem ser consumidos diariamente.



Carne vermelha

"A carne vermelha é fonte de zinco e selênio, importantes para a produção hormonal", afirma a especialista Daniela. A nutricionista contrapõe, entretanto, que a carne também pode se tornar uma vilã da saúde, uma vez que contém quantias consideráveis de gordura saturada, prejudicial ao organismo quando em excesso. "Por isso, limite o consumo desse alimento a três bifes médios por semana", complementa.



Laranja

Rica em carotenoides e vitamina C, a laranja pode auxiliar no bom funcionamento da tireoide. A quantidade diária recomendada, entretanto, é pequena: uma laranja por dia. "Como essa fruta é altamente calórica, a ingestão deve ser controlada, lembrando que um suco contém pelo menos três unidades de laranja", lembra o nutrólogo Roberto.