Blog Oficial

quarta-feira, 8 de maio de 2013

DECLARAÇÃO DE BENS - TEXTO PARA REFLEXÃO.



D E C L A R A Ç Ã O  D E     B E N S


O pai moderno, muitas vezes perplexo, aflito, angustiado, passa a vida inteira correndo atrás do futuro e se esquecendo do agora. Na luta para edificar este futuro, ele renuncia ao presente. Por isso, é um homem ocupado, sem tempo para os filhos, envolvido em mil atividades __ tudo com o objetivo de garantir o seu amanhã.

E com que prazer e orgulho, cada ano, ele preenche sua declaração de bens para o Imposto de Renda. Cada nova linha acrescida foi produto de muito esforço, muito trabalho. Lote, casa, apartamento, sítio __ tudo isso custou dias, semanas, meses de luta. Mas ele está sedimentando o futuro de sua família. Se ele parte um dia, por qualquer motivo, já cumpriu sua missão e não vai deixar ninguém desamparado.


E para ir escrevendo cada vez mais linhas na sua relação de bens, ele não se contenta com um emprego só __ é preciso ter dois ou três; vender parte das férias, em vez de descansar junto à família; levar serviço para fazer em casa, em vez de ficar com os filhos; e é um tal de viajar, almoçar fora, discutir negócios, marcar reuniões, preencher a agenda __ afinal, ele é um executivo dinâmico, faz parte do mundo competitivo, não pode fraquejar.

No entanto, esse homem se esquece de que a verdadeira declaração de bens, o valor mais alto, aquele que efetivamente conta, está em outra página do formulário do Imposto de Renda __ mais precisamente, naquelas modestas linhas, quase escondidas, onde se lê “relação dos dependentes”. Aqueles que dependem dele, os filhos que ele colocou no mundo, e a quem deve dedicar o melhor de seu tempo.

Os filhos são novos demais, não estão interessados em lotes, casas, salas para alugar, aumento de renda bruta __ nada disso. Eles só querem um pai com quem possam conviver, dialogar, brincar.

Os anos vão passando, os meninos vão crescendo, e o pai nem percebe, porque se entregou de tal forma ao trabalho __ vulgo construção do futuro __ que não viveu com eles, não participou de suas pequenas alegrias, não os levou ou buscou no colégio, nunca foi a uma festa infantil, não teve tempo para assistir a coroação da menina __ pois um executivo não deve desviar sua atenção para essas bobagens. São coisas de desocupados.

Há filhos órfãos de pais vivos, porque estão “entregues” __ o pai para um lado, a mãe para o outro, e a família desintegrada, sem amor, sem diálogo, sem convivência. E é esta convivência que solidifica a fraternidade entre os irmãos, abre seu coração, elimina problemas, resolve as coisas na base do entendimento.

Há irmãos crescendo como verdadeiros estranhos, porque correm de um lado para o outro o dia inteiro __ ginástica, natação, judô, balé, aula de música, curso de Inglês, terapia, lição de piano, etc. __ e só se encontram de passagem em casa, um chegando, o outro saindo. Não vivem juntos, não saem juntos, não conversam __ e, para ver os pais, quase é preciso marcar hora.

Depois de uma dramática experiência pessoal e familiar vivida, a única mensagem que tenho para dar __ e que tem sido repetida exaustivamente em paróquias, encontros familiares, movimentos e entidades __ é esta : não há tempo melhor aplicado do que aquele destinado aos filhos.

Dos 18 anos de casado, passei 15 anos correndo e trabalhando, absorvido por muitas tarefas, envolvido em várias ocupações, totalmente entregue a um objetivo único e prioritário : construir o futuro para três filhos e minha mulher. Isso me custou longos afastamentos de casa, viagens, estágios, cursos, plantões no jornal, madrugadas no estúdio da televisão, uma vida sempre agitada, atarefada, tormentosa, e apaixonante na dedicação à profissão escolhida __ e que foi, na verdade, mais importante do que minha família.

E agora, aqui estou eu, de mãos cheias e de coração aberto, diante de todos vocês, que me conhecem muito bem. Aqui está o resultado de tanto esforço: construí o futuro, penosamente, e não sei o que fazer com ele, depois da perda do Luiz Otávio.

De que valem casa, carros, sala, lote, e tudo o mais que foi possível juntar nesses anos todos de esforço, se ele não está mais aqui para aproveitar isso com a gente?

Se o resultado de 30 anos de trabalho fosse consumido agora por um incêndio, e desses bens todos não restasse nada mais do que cinzas, isso não teria a menor importância, não ia provocar o menor abalo em nossa vida, porque a escala de valores mudou, e o dinheiro passou a ter um peso mínimo e relativo em tudo.

Se o dinheiro não foi capaz de comprar a cura e a saúde de um filho amado, para que serve ele? Para ser escravo dele?

Eu trocaria __ explodindo de felicidade __ todas as linhas da declaração de bens por uma única linha que eu tive de retirar, do outro lado da folha : o nome do meu filho na relação dos dependentes. E como me doeu retirar essa linha na declaração de 1983, ano base de 82.

------------------------------------------------------------------------------------------------------------

Helio Fraga, jornalista em Belo Horizonte, MG . Esta crônica consta do livro do próprio autor “A Família, Último Lugar?” (3ª edição) publicado pelas Edições Paulinas. O jornalista Helio Fraga, que foi cronista esportivo, também publicou outros livros relacionados com o assunto narrado na crônica. Entre eles “O Menino Valente” e “Ser Pai”, cujas rendas são recolhidas ao Hospital Mário Penna na capital mineira.
Após a citada fraude com a crônica “ Declaração de Bens ” as novas edições do “A Família, Último lugar ?” vem saindo com a observação abaixo :

A L E R T A – Esta crônica foi criminosamente falsificada por um psicopata desconhecido. Ao texto original, ele acrescentou que Luiz Otávio morreu drogado e teve uma irmã Priscila, que fugiu de casa. Esta monstruosidade vem sendo divulgada por portais da internet, sujeitos a interdição e ações judiciais por danos morais.
Meu filho morreu aos 12 anos, em novembro de 1982, vítima de tumor cerebral (meduloblastoma). Teve dois irmãos: Marcelo, nascido em 1972, e Ana Cristina, em 1977. Eles estudam, trabalham e moram em Belo Horizonte. A outra irmã jamais existiu.
A falsa “Declaração de Bens” tem sido publicada irresponsavelmente, estando todos os envolvidos sujeitos a processo.

Hélio Fraga - Jornalista em Belo Horizonte/MG

sábado, 4 de maio de 2013

Ozonioterapia - uma nova alternativa de tratamento para diversas doenças crônicas



Dr. Heinz Konrad há 38 anos aplicando o Ozônio
na medicina


Ozonioterapia - uma nova alternativa de tratamento para diversas doenças crônicas


O que é Ozônio ?

Ozônio é uma forma especial de oxigênio, muito ativa.
O oxigênio - O2 - na natureza é composto por apenas dois átomos, enquanto o ozônio - O3 - é composto por três átomos.
À temperatura ambiente, o ozônio é um gás invisível, com odor muito característico.
Devido às suas características químicas, o ozônio pode ser utilizado também na desinfecção de água potável.



O que é Ozonioterapia?

É o uso de ozônio como medicamento ativo, no tratamento das mais variadas doenças.
O ozônio medicinal é sempre uma mistura de ozônio com oxigênio, em quantidades e concentrações que variam conforme a doença a ser tratada.
Tem efeito bactericida, fungicida e de inativação viral, razão pela qual pode ser empregado tanto na desinfecção de lesões infectadas, como em algumas doenças causadas por bactérias ou virus.
Seus efeitos sobre a circulação sanguínea o recomendam no tratamento de distúrbios circulatórios e para uma revitalização do organismo como um todo.
Em baixas concentrações, pode modificar e estimular a resposta imunológica.



Quais as doenças que a Ozonioterapia pode tratar ?

Distúrbios da circulação sanguínea, tais como insuficiência arterial periférica e varizes importantes, acompanhadas ou não de:
úlceras isquêmicas
úlceras varicosas
risco de gangrena
Algumas doenças importantes causadas por virus, como por exemplo as Hepatites virais (A, B, C)
Herpes simples (genital ou labial) e
Herpes zoster (também conhecido como "cobreiro")
Lesões infectadas de difícil resolução, como por exemplo ferimentos infectados, diversos tipos de fístulas, alguns focos de osteomielite cronica.
Algumas doenças inflamatórias crônicas (por exemplo, colite crônica, artrite reumatóide).
Situações de exaustão física, cansaço, "esgotamento".


Dados mais recentes dão fortes razões para supor que o tratamento com ozônio medicinal seja surpreendentemente eficaz também para pacientes portadores de

- degeneração macular e

- retinopatia diabética



Outras Informações


Dependendo da doença a ser tratada, a forma como se dá ozônio ao paciente pode variar muito.
Muitas são as vias e maneiras possíveis. Somente a inalação do ozônio é que precisa sempre ser evitada.
A terapia com o ozônio é praticamente isenta de efeitos colaterais indesejáveis, e há apenas algumas poucas situações em que ela não pode ser empregada.
No entanto, além dela requerer equipamento médico sofisticado, é preciso que se domine perfeitamente a técnica correta, e que se tenha noção exata das quantidades e das concentrações de ozônio a serem utilizadas, para que se possa obter os melhores resultados possíveis.

O tratamento médico com ozônio medicinal foi introduzido no Brasil em 1975, pelo médico paulista Dr. HEINZ KONRAD, que utiliza esse método com sucesso até os dias atuais, tendo, assim, a mais longa experiência profissional com ozonioterapia no Brasil. Já apresentou seu trabalho e sua experiência, na forma de palestras e conferências, em numerosos congressos internacionais, inclusive nos Estados Unidos (1983) e no Japão (1985), europeus e nacionais, tendo sido a primeira vez já em 1978, na Alemanha.



Veja também outras informações no site www.ozone-clinic.com



Dr. Heinz Konrad - CRM 18614


Rua Dona Eponina Afonseca, 80 - CEP 04720-010 São Paulo, SP - Brasil

Tel.: (011) 5687 4918 - Fax: (011) 5687 1275 - e-mail: konrad@sti.com.br


Água Oxigenada, excelentes dicas de uso.



Você acha a Água Oxigenada sem muita utilidade? Pois então, surpreenda-se!

A Água Oxigenada foi desenvolvida na década de 1920 por cientistas, com o objectivo de conter problemas de infecções e gangrena em soldados em frentes de batalhas.
Numa solução a 3%, é um dos mais potentes desinfectantes que existem.


Por que é tão pouco divulgada?
Não dá lucro!

A eficácia doméstica da Água Oxigenada:


1. Uma colher de sobremesa do produto usada para bochechos e mantido na boca por alguns minutos, mata todos os germes bucais, branqueando os dentes! Cuspir após o bochecho.

2. Manter escovas de dentes numa solução de água oxigenada conserva as escovas livres de germes que causam gengivite e outros problemas bucais.

3. Um pouco de água oxigenada num pano desinfecta superfícies melhor do que qualquer outro produto. Excelente para usar em cozinhas e banheiros.

4. Tábuas de carne e outros utensílios são totalmente desinfectados após uso, com um pouco de água oxigenada. O produto mata qualquer bactéria ou germe, inclusive salmonelas.

5. Passada nos pés, à noite, evita problemas de frieiras e outros fungos que causam os principais problemas nos pés, inclusive os maus odores (chulé).

6. Passada em ferimentos (várias vezes ao dia) evita infecções e ajuda na cicatrização. Até casos de gangrena regrediram com o seu uso.

7. Numa mistura meio-a-meio com água pura, pode ser pingada no nariz em resfriados e sinusites. Esperar alguns instantes e assoar o nariz. Isso mata germes e outros micro-organismos nocivos.

8. Um pouco de água oxigenada na água do banho combate micoses e fungos e ajuda a manter a pele saudável.

9. Roupas que precisam de desinfecção (lençóis, fraldas etc.) ou aquelas em contacto com secreções corporais e sangue, podem ser totalmente desinfectadas se ficarem de molho numa solução contendo água oxigenada antes da lavagem normal.

10. Certamente você encontrará outras formas de usar a água oxigenada em sua casa.









Você com certeza já usou ou pelo menos escutou falar da água oxigenada. Mas certamente não conhece todos os benefícios que esse produto pode ter. Fora que circula na internet um email com benefícios maravilhosos do produto. E aí, será que é verdade mesmo?

Segundo o professor de Cosmetologia, Maurício Pupo, a água oxigenada foi criada quando ainda não existiam os antibióticos e havia, durante a segunda guerra mundial, a necessidade de se prevenir infecções que levariam os soldados à amputação de membros. Os químicos da época perceberam que, ao se despejar a água oxigenada sobre os ferimentos abertos, observava-se a formulação de uma espuma. Pesquisando mais a fundo descobriram que essa espuma era resultado da liberação de oxigênio livre e que esse oxigênio tinha a propriedade de matar as bactérias e fungos.

A água oxigenada é considerada um agente poderoso na destruição de bactérias e fungos que possam infectar a pele. Mas é preciso ficar atento, apesar dos benefícios deve ser usada com cuidado e sempre com a supervisão de um médico.

Maurício Pupo desmistificou algumas dúvidas sobre o uso correto da água oxigenada:

Mito e verdades...

- A água oxigenada pode ser usada para bochechos e, se mantido na boca por alguns minutos, mata todos os germes bucais, branqueando os dentes
R: A água oxigenada usada nos enxaguatórios bucais para clareamento dos dentes está balanceada e diluída juntamente com outras substâncias que também protegem as gengivas. Usar a água oxigenada pura, sem acompanhamento do dentista, pode produzir sérias lesões nas gengivas e até agravar as famosas gengivites.

- Manter escovas de dentes numa solução de água oxigenada conserva as escovas livres de germes que causam gengivite e outros problemas bucais
R: Não é recomendado deixar de molho não. A água oxigenada tem uma validade curta após exposição aos germes e pode, com o tempo, se tornar uma fonte de microorganismos mais nocivos ainda. O que se pode fazer é banhar a escova na água oxigenada borrifando-a sobre as escovas após o uso. Neste caso não é preciso enxaguar e pode deixar enxugar naturalmente.

- Um pouco de água oxigenada em pano desinfeta superfícies. Excelente para cozinhas e banheiros
R: Mentira. A água oxigenada só está ativa quando houver a enzima catalase, presente no sangue, nos fluidos orgânicos e também liberada por microorganismos. Na presença desta enzima ocorrerá a liberação do oxigênio ativo e a destruição dos germes. Numa superfície pode não haver um número de microorganismos suficiente para produzir catalase e ativar o oxigênio ativo, tornando a água oxigenada totalmente inútil nestas situações.

- Tábuas de carne e outros utensílios são desinfetados após uso, com água oxigenada
R: Neste caso é válido e seguro borrifar os utensílios com água oxigenada, mas sempre após a tradicional higienização com água e detergente. Neste caso a água oxigenada desinfetará os utensílios ajudando a eliminar os microorganismos que a água e o detergente não retiraram.

- Nos pés, evita problemas de frieiras e fungos que causam problemas, inclusive o mau cheiro (chulé)
R: Correto, pois ajuda a reduzir o número de microorganismos responsáveis pelas micoses e pela bromidrose (chulé).

- Passada em ferimentos evita infecções e ajuda na cicatrização
R: A água oxigenada é um desinfetante muito usado em ferimentos. Quando corretamente aplicada evita infecções.



domingo, 28 de abril de 2013

CAUSA PRIMÁRIA DO CÂNCER!



“Não acreditem em tudo, nem duvidem de nada”. Raciocinem

No ano de 1931 um cientista recebeu o prêmio Nobel por descobrir a CAUSA PRIMÁRIA DO CÂNCER!

Se a causa foi descoberta, por que ainda não descobriram a cura?



Dr. Otto Heinrich Warburg(1883-1970).




Prêmio Nobel em 1931 por sua tese "A causa primária e a prevenção do câncer"
Bioquímico e fisiologista alemão nascido em Freiburg, Baden, agraciado com o Prêmio Nobel em Fisiologia ou Medicina (1931) pela descoberta da natureza e da ação da enzima respiratória. Filho do físico Emil Warburg, que foi Presidente do Physikalische Reichsanstalt, Wirklicher Geheimer Oberregierungsrat, foi educado em Freiburg. Estudou química com o grande Emil Fischer, com o qual ganhou o grau de doutor em química na Universidade de Berlim (1906) e, depois, o de doutor em medicina na de Heidelberg (1911), sob orientação de Von Krehl. Ele serviu na Guarda de Cavalaria prussiana durante Primeira Guerra Mundial e (1918). Depois da guerra, foi nomeado o professor de Biologia (1913-1970) no Instituto Kaiser Wilhelm, hoje Instituto Max-Planck de Biologia, Berlim-Dahlem, e ficou famoso pelas pesquisas em processos de oxidação em células vivas, particularmente em células do câncer. Criou com sucesso um método de medição da quantidade de oxigênio absorvido por um tecido celular vivo (1923), o que foi de grande importância, mais tarde, para pesquisas em processos de metabolismo de tecido cancerosos. Também tornou-se diretor do Instituto Max Planck Institute de Fisiologia Celular, em Berlim (1931), fundado um ano antes, onde pesquisou sobre a natureza e ação de enzimas envolvendo respiração e fermentação e morreu solteiro em Berlim. Entre outras publicou obras como Stoffwechsel der Tumoren (1926), Katalytische Wirkungen der lebendigen Substanz (1928), Schwermetalle als Wirkungsgruppen von Fermenten (1946), Wasserstoffübertragende Fermente (1948), Mechanism of Photosynthesis (1951), Entstehung der Krebszellen (1955) e Weiterentwicklung der zellphysiologischen Methoden (1962). Entre outros, também foi Foreign Member da Royal Society, London (1934) e sócio das Academias de Ciências de Berlim, Halle, Copenhagen, Roma e India, e doctor honoris causa da Oxford University (1965).

http://www.nobel.se/



Segundo este cientista, o câncer é a conseqüência de uma alimentação antifisiológica e um estilo de vida antifisiológico.

Por quê?... Porque uma alimentação antifisiológica - dieta baseada em alimentos acidificantes + sedentarismo, cria em nosso organismo um ambiente de ACIDEZ.


A ACIDEZ por sua vez, EXPULSA o OXIGÊNIO das células!

Ele afirmou: "A falta de oxigênio e a acidez são as duas caras de uma mesma moeda: quando você tem um, você tem o outro.”

Ou seja, se você tem excesso de acidez, então automaticamente falta oxigênio em seu organismo!

Outra afirmação interessante: "As substâncias ácidas repelem o oxigênio; em oposto, as substâncias alcalinas atraem o oxigênio.”
Ou seja, um ambiente ácido, sim ou sim, é um ambiente sem oxigênio.

E ele afirmava que: "Privar uma célula de 35% de seu oxigênio durante 48 horas, pode convertê-la em cancerígena.”

Ainda segundo Warburg: "Todas as células normais tem como requisito absoluto o oxigênio, porém as células cancerosas podem viver sem oxigênio - uma regra sem exceção."

E também: "Os tecidos cancerosos são tecidos ácidos, enquanto que os saudáveis são tecidos alcalinos."

Em sua obra "O metabolismo dos tumores", Warburg demonstrou que todas as formas de câncer se caracterizam por duas condições básicas: a acidose (acidez do sangue)e a hipoxia (falta de oxigênio). Também descobriu que as células cancerosas são anaeróbias (não respiram oxigênio) e NÃO PODEM sobreviver na presença de altos níveis de oxigênio; em troca, sobrevivem graças a GLICOSE, sempre que o ambiente está livre de oxigênio... Portanto, o câncer não seria nada mais que um mecanismo de defesa que tem certas células do organismo para continuar com vida em um ambiente ácido e carente de oxigênio.

Resumindo:
Células sadias vivem em um ambiente alcalino e oxigenado, o qual permite seu normal funcionamento:


Células cancerosas vivem em um ambiente extremamente ácido e carente de oxigênio:


IMPORTANTE:

Uma vez finalizado o processo da digestão, os alimentos de acordo com a qualidade de proteína, hidrato de carbono, gordura, minerais e vitaminas que fornecem, gerarão uma condição de acidez ou alcalinidade no organismo. Ou seja, depende unicamente do que você come!

O resultado acidificante ou alcalinizante se mede através de uma escala chamada PH, cujos valores se encontram em um nível de 0 a 14, sendo PH 7, um PH neutro.

É importante saber como os alimentos ácidos e alcalinos afetam a saúde, já que para que as células funcionem de forma correta e adequada, seu PH deve ser ligeiramente alcalino. Em uma pessoa saudável,
o PH do sangue se encontra entre 7,40 e 7,45. Leve em conta que se o ph sanguíneo caísse abaixo de 7, entraríamos em estado de coma, próximo a morte.

Então, o que temos a ver com tudo isto? Vamos ao que interessa!!

Alimentos que acidificam o organismo:
- Açúcar refinado e todos os seus subprodutos - o pior de tudo: não tem proteínas, nem gorduras, nem minerais, nem vitaminas, só hidrato de carbono refinado, que pressiona o pâncreas. Seu PH é 2.1, ou seja, altamente acidificante
-Leite de vaca e todos os seus derivados - queijos, requeijão, iogurtes, etc.
- Sal refinado
- Farinha refinada e todos os seus derivados - massas, bolos, biscoitos, etc.
- Produtos de padaria - a maioria contém gordura saturada, margarina, sal, açúcar e conservantes
- Margarinas
- Refrigerantes
- Cafeína - café, chás pretos, chocolate
- Álcool
- Tabaco
- Remédios, antibióticos
-Qualquer alimento cozido - o cozimento elimina o oxigênio e o transforma em ácido- inclusive as verduras cozidas.
-Tudo que contenha conservantes, corantes, aromatizantes, estabilizantes, etc. Enfim: todos os alimentos enlatados e industrializados. Constantemente o sangue se encontra autorregulando-se para não cair em acidez metabólica, desta forma garantindo o bom funcionamento celular, otimizando o metabolismo. O organismoDEVERIA obter dos alimentos, as bases (minerais) para neutralizar a acidez do sangue na metabolização, porém todos os alimentos já citados, contribuem muito pouco, e em contrapartida, desmineralizam o organismo (sobretudo os refinados). Há que se levar em conta que no estilo de vida moderno, estes alimentos são consumidos pelo menos 3 vezes por dia, os 365 dias do ano!!! Curiosamente, todos estes alimentos citados, são ANTIFISIOLÓGICOS!...Nosso organismo não foi projetado para digerir toda essa porcaria!

Alimentos Alcalinizantes
-Todas as verduras cruas (algumas são ácidas ao paladar, porém dentro do organismo tem reação alcalinizante, outras são levemente acidificantes, porém trazem consigo as bases necessárias para seu correto equilíbrio); cruas produzem oxigênio, cozidas não.
-Frutas, igualmente as verduras. Por exemplo: o limão tem um PH aproximado de 2.2, porém dentro do organismo tem um efeito altamente alcalinizante (quem sabe o mais poderoso de todos).



Não se deixe enganar pelo seu gosto ácido, ok?



As frutas produzem quantidades saudáveis de oxigênio!
-Sementes: além de todos os seus benefícios, são altamente alcalinizantes, como por exemplo, as amêndoas.
- Cereais integrais: O único cereal integral alcalinizante é o milho, todos os demais são ligeiramente acidificantes, porém muito saudáveis! Lembre-se que nossa alimentação ideal necessita de uma porcentagem de acidez (saudável). Todos os cereais devem ser consumidos cozidos.
- O mel é altamente alcalinizante.
A clorofila das plantas (de qualquer planta) é altamente alcalinizante (sobretudo a aloe vera, mais conhecida como babosa).
- Á água é importantíssima para a produção de oxigênio. "A desidratação crônica é o estressante principal do corpo e a raiz da maior parte de todas as enfermidades degenerativas", afirma o Dr. Feydoon Batmanghelidj.

-O exercício oxigena todo teu organismo, o sedentarismo o desgasta. Não é preciso dizer mais nada, não é?

O Doutor George w. Crile, de Cleverand, um dos cirurgiões mais importantes do mundo declara abertamente:



“Todas as mortes mal chamadas "naturais", não são mais que o ponto terminal de uma saturação de ácidos no organismo”.

Como dito anteriormente, é totalmente impossível que um câncer prolifere em uma pessoa que libera seu corpo da acidez,nutrindo-se com alimentos que produzam reações metabólicas alcalinas e aumentando o consumo de água pura; e que por sua vez, evita os alimentos que produzem acidez, e se abstém de elementos tóxicos. Em geral o câncer não se contrai nem se herda o que se herda são os costumes alimentícios, ambientais e o estilo de vida. Isto sim é que produz o câncer.

Mencken escreveu:



“A luta da vida é contra a retenção de ácidos”.
"O envelhecimento, a falta de energia, o stress, as dores de cabeça, enfermidades do coração, alergias, eczemas, urticária, asma, cálculos renais e arterioscleroses entre outros, não são nada mais que a acumulação de ácidos."

O Dr. Theodore A. Baroody disse em seu livro Alkalize or Die (Alcalinizar ou Morrer):



"Na realidade não importa o sem-número de nomes de enfermidades.O que importa sim é que todas elas provém da mesma causa básica: muito lixo ácido no corpo!

O Dr. Robert O. Young disse:



"O excesso de acidificação no organismo é a causa de todas as enfermidades degenerativas. Quando se rompe o equilíbrio e o organismo começa a produzir e armazenar mais acidez e lixo tóxico do que pode eliminar, então se manifestam diversas doenças.”



E a quimioterapia?

Não vou entrar em detalhes, somente me limito a enfatizar o óbvio: a quimioterapia acidifica o organismo a tal extremo, que este recorre às reservas alcalinas do corpo de forma imediata para neutralizar tanta acidez, sacrificando assim bases minerais (Cálcio, Magnésio, Potássio) depositadas nos ossos, dentes, articulações, unhas e cabelos. É por esse motivo que se observa semelhante degradação nas pessoas que recebem este tratamento, e entre tantas outras coisas, se lhes cai a grande velocidade o cabelo. Para o organismo não significa nada ficar sem cabelo, porém um PH ácido significaria a morte.

É necessário dizer que isto não é divulgado porque a indústria do câncer (leia-se indústria alimentícia + indústria farmacêutica)e a quimioterapia são alguns dos negócios mais multimilionários que existem hoje em dia!
É necessário dizer que a indústria farmacêutica e a indústria alimentícia são uma só entidade!

Você se dá conta do que significa isto?



Quanto mais gente doente, mais a indústria farmacêutica no mundo vai lucrar! E pra fabricar tanta gente doente, é necessário muito alimento lixo, como a indústria alimentícia tem produzido hoje no mundo, ou seja, um produz pra dar lucro ao outro e vice-versa, é uma corrente. Esta é uma equação bem fácil de entender, não é?



Quantos de nós temos escutado a notícia de alguém que tem câncer e sempre alguém diz:

"É... poderia acontecer com qualquer um..." Com qualquer um ?
Agora que você já sabe, o que você vai fazer a respeito?



A ignorância justifica, o saber condena.



"Que teu alimento seja teu remédio, que teu remédio seja o alimento." Hipócrateshttp://www.ufotvonline.com.br/especial-saude/587-antes-da-cura-do-cancer.html
Fonte: http://www.bibliotecapleyades.net/salud/salud_defeatcancer67.htm

Glutamato Monossódico : O sabor que mata

Glutamato Monossódico (GMS): O sabor que mata 

Glutamato Monossódico (GMS): É este o assassino que se esconde em nossos armários de cozinha?


Um silencioso e difundido assassino que é pior à sua saúde que álcool, nicotina e muitas outras drogas está provavelmente escondido em seu armário de cozinha neste exato momento. [1]. "Ele" é o glutamato monossódico ou GMS (MSG, Monossodium Glutamate do nome original em inglês), um realçador de sabor que é conhecido amplamente como um aditivo na comida chinesa, mas que na verdade é adicionado a milhares de alimentos que você e sua família regularmente comem, especialmente se você é como a maior parte dos norte-americanos e come a maioria de sua comida como alimento processado ou em restaurantes.


Glutamato monossódico é um dos piores aditivos alimentares no mercado e é usado em sopas enlatadas, biscoitos, carnes, saladas, refeições congeladas e muito mais. É encontrado em restaurantes e supermercados locais, na lanchonete da escola das crianças, e incrivelmente, mesmo na comida de bebê e em fórmulas infantis.


O GMS é mais do que somente um tempero como o sal e pimenta, ele realça o sabor dos alimentos, fazendo o gosto de carnes processadas e refeições congeladas ficarem melhor e cheirar melhor, as saladas ficarem mais saborosas e comidas enlatadas com gosto menos metálicas.

Enquanto os benefícios do GMS à indústria de alimentos estão bem claras, este aditivo alimentar pode estar lentamente e silenciosamente fazendo grandes danos para sua saúde.

O que exatamente é o Glutamato Monossódico?Você pode lembrar quando o pó de GMS chamado "Accent" primeiramente veio aos mercados norte-americanos. Bem foi há muitas décadas anterior a este, em 1908, que o glutamato foi inventado. O inventor foi Kikunae Ikeda, um japonês que identificou a substância natural que incrementava o sabor, provinda da alga marinha.

Tomando como base esta substância, eles foram capazes de criar um aditivo criado pelo homem, o glutamato monossódico, e ele e seu parceiro criaram a Ajinomoto, que é hoje o maior produtor deste produto (e, interessante, também um produtor de remédios).
Quimicamente falando, o GMS é aproximadamente 78% de ácido glutâmico livre, 21% de sódio, e até 1% composto de contaminantes. [3].

É uma idéia errada que o glutamato monossódico é um condimento ou um amaciador de carne. Na realidade, ele tem um sabor fraco, além do que, quando você ingere GMS, você pensa que o alimento que está comendo tem mais proteína e tem um melhor sabor. Ele faz isso enganando sua língua, usando um pouco conhecido quinto estado de sabor: umami.

Umami é o gosto do glutamato, que é um saboroso gosto encontrado em muitas comidas japonesas, bacon e também no aditivo alimentar tóxico glutamato monossódico. É por causa do umami que o alimento com GMS tem sabor mais forte, robusto, e geralmente melhor, para muitas pessoas, do que o alimento sem ele.

O ingrediente não se tornou amplamente divulgado nos Estados Unidos até a Segunda Guerra Mundial, quando os militares americanos perceberam que a ração dos soldados japoneses era muito mais saborosa que as versões americanas por causa do GMS.

Em 1959, a FDA (Food and Drug Administration, ou Agência Norte-Americana de Controle de Alimentos e Medicamentos), classificou o glutamato monossódico como "ordinariamente conhecido como seguro (Generally Recognized as Safe ou GRAS)" e assim se manteve desde então. Ainda assim foi um sinal de alerta quando apenas 10 anos depois uma condição conhecida como a "Síndrome do restaurante chinês" apareceu na literatura médica, descrevendo os numerosos efeitos colaterais, desde falta de sensação, até palpitações cardíacas que a pessoas experienciavam depois de comer glutamato.


Hoje esta síndrome é mais apropriadamente chamada "complexo dos sintomas do GMS" (termo original do inglês: MSG Symptom Complex), que a FDA identifica como "reações de curto-prazo" do glutamato. Mais destas "reações" ainda virão à tona.
Por que Glutamato Monossódico é tão perigoso?Uma das melhores visões gerais dos reais perigos do glutamato vem do Doutor Russell Blaylock, um neurocirurgião "board certified" (que tem anos de treinamento e entendimentos da diagnose, tratamento e prevenção de enfermidades) e autor do "Excitotoxinas: o Sabor que Mata". Nele ele explica que o glutamato é uma excito-toxina, o que significa que ele superexcita suas células ao ponto de ser perigoso ou mortal, causando danos em vários graus - e potencialmente mesmo acionar ou piorar disfunções de aprendizado, Mal de Alzheimer, Mal de Parkinson, Mal de Lou Gehrig, e mais.

Parte do problema também é que o ácido glutâmico livre é o mesmo neurotransmissor que o seu cérebro, sistema nervoso, pâncreas e outros órgãos usam para iniciar certos processos em seu corpo. [4]. Até a FDA afirma:

"Estudos tem mostrado que o corpo usa glutamato, um aminoácido, como um transmissor de impulsos nervosos no cérebro e que há também tecidos que respondem ao glutamato em outras partes do corpo. As anomalias no funcionamento dos receptores de glutamato tem sido conectadas com certas enfermidades neurológicas, como o Mal de Alzheimer e a doença de Huntington (distúrbio caracterizado por movimentos musculares anormais espontâneos e irregulares). Injeções de glutamato em animais de laboratório resultaram em danos às células nervais do cérebro." [5]

Embora a FDA continue a alegar que consumir glutamato monossódico nos alimentos não causa estes efeitos danosos, muitos outros especialistas dizem o contrário.
De acordo com Dr. Blaylock, numerosos receptores glutâmicos tem sido encontrados tanto no sistema de condução elétrica do coração quanto no músculo do coração em si. Isto pode ser bem danoso para seu coração, e pode mesmo explicar as mortes inesperada às vezes vista entre atletas jovens.

Ele diz: "Quando um excesso de excito-toxinas de origem alimentar, como o GMS, proteína hidrolisada de soja e concentrada, caseinato de sódio e aspartato do aspartame, são consumidas, estes receptores glutâmicos são super-estimulados, produzindo arritmia cardíaca. Quando o estoque de magnésio está baixo, como vemos em atletas, os receptores glutâmicos são muito sensíveis e mesmo níveis pequenos destas excito-toxinas podem resultar em arritmias cardíacas e morte". [6]

Muitos outros efeitos adversos tem sido relacionados ao consumo regular de GMS, incluindo:

* Obesidade
* Danos oculares
* Cefaléia (dor de cabeça)
* Fadiga e Desorientação
* Depressão

Além do mais, mesmo a FDA admite que as "reações de curto-prazo" conhecidas como complexo dos sintomas do GMS (MSG Symptom Complex) podem ocorrer em certos grupos de pessoas, especialmente os que ingeriram "altas doses" de glutamato monossódico ou aqueles que tem asma. [7]

De acordo com a FDA, O complexo de sintomas do GMS pode envolver sintomas como:

* Perda de sensibilidade* Sensação de queimadura
* Formigamento
* Pressão facial ou sensação de sufocamento
* Dor no peito ou dificuldade respiratória
* Cefaléia
* Náusea
* Palpitação cardíaca
* Sonolência
* Fraqueza



Ninguém sabe informar com certeza quantas pessoas podem ser "sensíveis" ao GMS, mas estudos dos anos 70 sugerem que 25 a 30% da população norte-americana eram intolerantes ao Glutamato - em níveis então encontrados em alimentos. Desde que o uso do Glutamato expandiu dramaticamente deste aquele período, é estimado que até 40% da população pode ser impactada. [8]
Como saber se o Glutamato Monossódico está em sua comida
Os produtores de alimentos não são estúpidos, e eles são cautelosos do fato que as pessoas como você procuram evitar comer este tipo de aditivo alimentar asqueroso. Como resultado, você acha que eles respondem removendo o glutamato de seus produtos? Bem, poucos tem feito, mas a maioria deles só tentaram "limpar" suas embalagens. Em outras palavras, eles tentam esconder o fato que o GMS é um ingrediente.


Como eles fazem isso? Usando nomes que você nunca poderia associar com o produto.
É requerido pela FDA que os produtores de alimentos listem o ingrediente "glutamato monossódico" nas embalagens dos alimentos, mas eles não têm que listar os ingredientes que contém ácido glutâmico livre, mesmo se ele é o principal componente do GMS.

Há mais de 40 ingredientes que contém ácido glutâmico [9], mas você nunca sabe se eles só são nomes isolados. Além disso, em alguns alimentos o ácido glutâmico é formado durante o processamento, e novamente, as embalagens dos alimentos não lhe informam isso.


Dicas para evitar o Glutamato Monossódico de sua alimentação
Em geral, se um alimento é processado você pode supor que ele contém glutamato (ou um de seus pseudo-ingredientes). Então, se você aderiu a uma alimentação de alimentos frescos, você pode bem garantir que você está evitando esta toxina.

O outro local onde você terá que tomar cuidado são os restaurantes. Você pode perguntar que itens do cardápio são livres de glutamato, e pedir que nenhum glutamato seja adicionado em sua refeição, mas claro que o único local onde você pode ter certeza absoluta do que é adicionado ou não é a sua própria cozinha.

Para realmente se garantir, você deve saber com que ingredientes tomar precaução em alimentos empacotados. Aqui está uma lista de ingredientes que SEMPRE contém glutamato monossódico: (nem todos foram traduzidos por não existir correlato ao português, segue abaixo os nomes originais como constam no artigo): Autolyzed Yeast (Extrato de levedura), Calcium Caseinate (Caseinato de calcio), Gelatin (Gelatina), Glutamate/Glutamic Acid (Ácido glutâmico), Hydrolyzed Protein, Monopotassium Glutamate ( Glutamato monopotássico), Monosodium Glutamate (Glutamato monossódico), Sodium Caseinate (Caseinato de sódio),Textured Protein, Yeast Extract (Extrato de levedura), Yeast Nutrient

Estes ingredientes freqüentemente contém glutamato ou criam este durante o processamento: [10] (não foram traduzidos os termos abaixos, por isso fica listado integralmente os originais em inglês): Flavors and Flavorings (Condimentos), Seasonings (Temperos), Natural Flavors and Flavorings, Natural Pork Flavoring, Natural Beef Flavoring, Natural Chicken Flavoring, Soy Sauce, Sopy Protein Isolate, Soy Protein, Bouillon, Stock, Broth, Malt Extract, Malt Flavoring, Barley Malt, Why Protein,Carrageenan, Maltodextrin, Pectin, Enzymes, Protease, Corn Starch, Citric Acid, Powdered Milk, Anything Protein Fortified, Anything Enzyme Modified, Anything Ultra-Pasteurized

Se você come alimentos processados, por favor lembre-se de verificar estes nomes ocultos do glutamato.
Escolhendo ser Livre dos Glutamatos
Tomar a decisão de evitar GMS em sua alimentação é mais que possível uma escolha sábia para todos ao seu redor. Reconhecidamente, toma mais tempo planejando na cozinha e preparando comida em casa, usando ingredientes frescos e cultivados localmente. Mas saber que sua comida é pura e livre de aditivos tóxicos como o glutamato é algo inestimável.
Além disso, escolher seu alimento lhe trará ultimamente um melhor sabor e valores mais saudáveis que qualquer comida processada com glutamato que você pode comprar no supermercado.

Nota do tradutor: O texto é escrito utilizando o contexto dos Estados Unidos, nem por isso ele não deixa de ser válido no Brasil ou em outro país que seja. No país, o glutamato é encontrado em salgados como batata-frita com sabor de cebola, embutidos como salames, também na mortadela, presunto, frios em geral, no molho de soja (algumas marcas aparentemente não colocam este ingrediente) e em muitos produtos japoneses. Ler o rótulo das embalagens é um bom começo para evitar o consumo desta substância. O equivalente maléfico doce do glutamato é o aspartame, encontrado em produtos diet, light, e similares. Grandes empresas usam GMS, leia a lista de ingredientes, e zele pelo seu bem-estar. O melhor protesto é não comprar produtos de quem não tem se preocupado com a sua saúde.



Fontes e Referências:
Blog Mercola: MSG: Is This Silent Killer Lurking in Your Kitchen Cabinets?


[1] Mercola.com “The Shocking Dangers of MSG You Don’t Know,” video Part 1
[2][3][9][10] Price-Pottenger Nutrition Foundation, Samuels, Jack “MSG Dangers and Deceptions”
[4] MSGTruth.org “What Exactly is MSG?”
[5] U.S. Food and Drug Administration “FDA and Monosodium Glutamate (MSG)” August 31, 1995
[6] eMediaWire “Athlete Alert: Renowned Neurosurgeon Identifies Aspartame & MSG in Sudden Cardiac Death” April 15, 2005
[7] FDA Consumer Magazine “MSG: A Common Flavor Enhancer” January-February 2003
[8] TruthinLabeling.org “This is What the Data Say About Monosodium Glutamate Toxicity and Human Adverse Reactions”

10 piores alimentos para sua saúde

Nutricionista lista os 10 piores alimentos para sua saúde
Que atire a primeira pedra quem não se rende a um fast food, salgadinho ou cachorro-quente e depois fica preocupado com as calorias que ingeriu. Mas o que pouca gente sabe é que os perigos desses alimentos vão muito além da questão estética e podem ser um risco para a saúde. Para esclarecer esses problemas, a nutricionista Michelle Schoffro Cook listou os dez piores alimentos de todos os tempos.





10º lugar: Sorvete

Apesar de existirem versões mais saudáveis que os tradicionais sorvetes industrializados, a nutricionista adverte que esse alimento geralmente possui altos níveis de açúcar e gorduras trans, além de corantes e saborizantes artificiais, muitos dos quais possuem neurotoxinas – substâncias químicas que podem causar danos no cérebro e no sistema nervoso.







9º lugar: Salgadinho de milho

De acordo com Michelle, desde o surgimento dos alimentos transgênicos a maior parte do milho que comemos é um “Frankenfood”, ou “comida Frankenstein”. Ela aponta que esse alimento por causar flutuação dos níveis de açúcar no sangue, levando a mudanças no humor, ganho de peso, irritabilidade, entre outros sintomas. Além disso, a maior parte desses salgadinhos é frita em óleo, que vira ranço e está ligado a processos inflamatórios.






8º lugar: Pizza

Michelle destaca que nem todas as pizzas são ruins para a saúde, mas a maioria das que são vendidas congeladas em supermercados está cheia de condicionadores de massa artificiais e conservantes. Feitas farinha branca, essas pizzas são absorvidas pelo organismo e transformadas em açúcar puro, causando aumento de peso e desequilíbrio dos níveis de glicose no sangue.







7º lugar: Batata frita

Batatas fritas contêm não apenas gorduras trans, que já foram relacionadas a uma longa lista de doenças, como também uma das mais potentes substâncias cancerígenas presentes em alimentos: a acrilamida, que é formada quando batatas brancas são aquecidas em altas temperaturas. Além disso, a maioria dos óleos utilizados para fritar as batatas se torna rançosa na presença do oxigênio ou em altas temperaturas, gerando alimentos que podem causar inflamações no corpo e agravar problemas cardíacos, câncer e artrite.






6º lugar: Salgadinhos de batata

Além de causarem todos os danos das batatas fritas comuns e não trazerem nenhum benefício nutricional, esses salgadinhos contêm níveis mais altos de acrilamida, que também é cancerígena.






5º lugar: Bacon

Segundo a nutricionista, o consumo diário de carnes processadas, como bacon, pode aumentar o risco de doenças cardíacas em 42% e de diabetes em 19%. Um estudo da Universidade de Columbia descobriu ainda que comer 14 porções de bacon por mês pode danificar a função pulmonar e aumentar o risco de doenças ligadas ao órgão.







4º lugar: Cachorro-quente


Michelle cita um estudo da Universidade do Havaí, que mostrou que o consumo de cachorros-quentes e outras carnes processadas pode aumentar o risco de câncer de pâncreas em 67%. Um ingrediente encontrado tanto no cachorro-quente quanto no bacon é o nitrito de sódio, uma substância cancerígena relacionada a doenças como leucemia em crianças e tumores cerebrais em bebes. Outros estudos apontam que a substância pode desencadear câncer colorretal.




3º lugar: Donuts (Rosquinhas)


Entre 35% e 40% da composição dos donuts é de gorduras trans, “o pior tipo de gordura que você pode ingerir”, alerta a nutricionista. Essa substância está relacionada a doenças cardíacas e cerebrais, além de câncer. Para completar, esses alimentos são repletos de açúcar, condicionadores de massa artificiais e aditivos alimentares, e contém, em média, 300 calorias cada.




2º lugar: Refrigerante

Michelle conta que, de acordo com uma pesquisa do Dr. Joseph Mercola, “uma lata de refrigerante possui em média 10 colheres de chá de açúcar, 150 calorias, entre 30 e 55 mg de cafeína, além de estar repleta de corantes artificiais e sulfitos”. “Somente isso já deveria fazer você repensar seu consumo de refrigerantes”, diz a nutricionista.
Além disso, essa bebida é extremamente ácida, sendo necessários 30 copos de água para neutralizar essa acidez, que pode ser muito perigosa para os rins. Para completar, ela informa que os ossos funcionam como uma reserva de minerais, como o cálcio, que são despejados no sangue para ajudar a neutralizar a acidez causada pelo refrigerante, enfraquecendo os ossos e podendo levar a doenças como osteoporose, obesidade, cáries e doenças cardíacas.





1º lugar: Refrigerante Diet


“Refrigerante Diet é a minha escolha para o Pior Alimento de Todos os Tempos”, diz Michelle. Segundo a nutricionista, além de possuir todos os problemas dos refrigerantes tradicionais, as versões diet contêm aspartame, que agora é chamado de AminoSweet. De acordo com uma pesquisa de Lynne Melcombe, essa substância está relacionada a uma lista de doenças, como ataques de ansiedade, compulsão alimentar e por açúcar, defeitos de nascimento, cegueira, tumores cerebrais, dor torácica, depressão, tonturas, epilepsia, fadiga, dores de cabeça e enxaquecas, perda auditiva, palpitações cardíacas, hiperatividade, insônia, dor nas articulações, dificuldade de aprendizagem, TPM, cãibras musculares, problemas reprodutivos e até mesmo a morte.
“Os efeitos do aspartame podem ser confundidos com a doença de Alzheimer, síndrome de fadiga crônica, epilepsia, vírus de Epstein-Barr, doença de Huntington, hipotireoidismo, doença de Lou Gehrig, síndrome de Lyme, doença de Ménière, esclerose múltipla, e pós-pólio. É por isso que eu dou ao Refrigerante Diet o prêmio de Pior Alimento de Todos os Tempos”, conclui.

E ainda...


Algodão-doce: além de ser puro açúcar, tem corantes artificiais. É um alimento que não deveria existir, segundo o especialista Jonny Bowden.


Pão branco: é um alimento com valor nutricional nulo – tem apenas carboidratos, o que quer dizer que ajuda apenas a aumentar a conta de calorias. Prefira, sempre, pão integral.

Micro-ondas, as provas dos Perigos.







As provas dos Perigos das Micro-ondas

Por que a União Soviética proibiu o uso dos fornos a micro-ondas em 1976? Quem inventou os fornos a micro-ondas e por quê? As respostas para estas perguntas podem induzir-lhes a jogar no lixo o seu forno a micro-ondas.

Em mais de 90% dos lares americanos tem fornos a micro-ondas, por serem bem convenientes e eficazes na economia de energia, se comparado aos fornos elétricos .... Hoje, em muito poucas casas ou restaurantes, eles não estão presentes. Em geral, as pessoas acreditam que o que o uso do forno a micro-ondas, não não causa algum efeito negativo nem nos alimentos nem nas pessoas. Muitas acreditam que, naturalmente, se eles fossem realmente nocivos, nossos governantes não permitiriam que fossem vendidos....

A finalidade deste relatório é mostrar provas, evidências - que o cozimento em micro-ondas não é natural, nem saudável e é muito mais perigoso para o corpo humano de quanto se possa imaginar. Entretanto, os fabricantes de fornos a micro-ondas, os políticos de Washington, entre outros, estáo suprimindo os fatos e evidências. Por isso, as pessoas continuam a usar as micro-ondas para cozer seus alimentos, em total ignorância, sem conhecer os efeitos e o perigo desta prática.


Como funcionam os fornos a micro-ondas? As micro-ondas são uma forma de energia electromagnética, como ondas de luz ou ondas de rádio e ocupam uma parte do espectro da força electromagnética. Micro-ondas são ondas muito curtas da energia electromagnética que viaja a velocidade da luz (186,282 milhas/seg). Na nossa atual idade tecnológica, as micro-ondas são usadas para coligar longas distâncias como sinais telefônicos, programas televisivos e informações computadorizadas em todo o mundo ou em satélites no espaço. Mas as micro-ondas mais familiares para nós é a fonte de energia para cozinhar alimentos.

Cada forno a micro-ondas possui um magnetron, um tubo em que os eléctrons são afetados pelo campo elétrico magnético em tal maneira para produzir uma radiação com um micro comprimento de ondas, cerca 2450 Mega Hertz (MHz) ou 2,45 Giga Hertz (GHz). Esta radiação a micro-ondas interage com as moléculas dos alimentos. cada onda de energia muda a sua polaridade de positiva a negativa em cada ciclo da onda. Em micro-ondas, estas mudanças de polaridade acontecem milhões de vezes a cada segundo. As moléculas do alimento - especialmente as moléculas da água - possuem extremidade positiva e negativa como um iman que possui os polos Norte e Sul.

Em modelos comerciais, o forno tem uma entrada de energia de aproximadamente 1000 watts de corrente alternada. Enquanto estas micro-ondas geradas pelo magnetron bombardeiam o alimento, elas fazem rotar as moléculas do alimento na mesma freqüência milhões de vezes por segundo. Toda esta agitação cria uma fricção molecular, a qual aquece os alimentos. A fricção tambem causa um elevado dano nas moléculas vizinhas, freqüentemente rasgando-as em partes ou deformando-as completamente. O nome científico para esta deformação é “isomerismo estrutural“.





Experiência: Plantas Regadas com água que passou no micro-ondas e água natural


Pela comparação, as micro-ondas do sol são baseadas nos princípios da pulsação da corrente contínua (DC) que não gera calor friccional; os fornos a micro-ondas usam a corrente alternada (AC) gerando calor friccional. Um forno a micro-ondas produz uma onda de energia pontiaguda com toda a potência que entra em somente uma estreita freqüência do espectro de energia.

Muitos termos são usados para descrever ondas electromagnéticas, tais como: comprimento de onda, amplitude, ciclo e freqüência.

O comprimento de onda determina o tipo de radiação, isto é, radio, raios X, ultravioleta, visiveis, infravermelho, etc.

A amplitude determina a extensão do movimento medido do ponto de início.

O ciclo determina a unidade de freqüência, tais como ciclos por segundo, Hertz, Hz, ou ciclos/seg.

A freqüência determina o número de ocorrências dentro de um dado período de tempo (usualmente 1 segundo). O número de ocorrências de um processo decorrente por unidade de tempo, isto é, o número de repetições dos ciclos por segundo.

Radiação = propagação de energia com ondas electromagnéticas.

A radiação, como definida pelas terminologias da física, são “as ondas electromagnéticas emitidas pelos átomos e moléculas de uma substância radioativa como conseqüência da deterioração nuclear. “ a radiação provoca a ionização, o que ocorre quando um átomo neutro ganha ou perde elétrons. Em poucas palavras, um forno a micro-ondas deteriora e altera a estrutura molecular dos alimentos com o processo de radiação. Se os fabricantes tivessem chamado estes fornos de “fornos de radiação“, é duvidoso se eles teriam vendido pelo menos um. Mas aquilo é exatamente o que um forno a microondas é.

Nos disseram que alimentos cozidos em fornos de micro-ondas não é o mesmo que irradiados (tratados com radiação). Os dois processos são pensados para usar ondas de energia totalmente diferentes em diferentes intensidades. Nem o FDA ou estudos oficiais realizados pelos orgãos governativos provaram que o uso freqüente dos fornos a micro-ondas é nocivo, mas todos nós sabemos que a validade dos estudos pode ser - e são às vezes propositalmente - limitados. Muitos destes estudos foram mais tarde provadamente considerados incorretos. Como consumidores, nós somos presupostos de haver bom senso para usar e julgar.

Tomando como exemplo os ovos e como eles eram “provadamente“ considerados nocivos para à nossa saúde nos distantes anos 60. Isto provocou a fabricação de produtos para substituir os ovos, e deu grandes lucros aos seus fabricantes, enquanto os produtores de ovos foram à falência. Agora, e depois de tudo, recentes estudos patrocinados pelos orgãos governativos estão afirmando que os ovos não são nocivos para a nossa saúde. Então, em quem devemos confiar e qual critério devemos usar para decidir as questões referentes à nossa saúde? Desde quando foi publicado que as ondas dos fornos a micro-ondas não se propagam no meio ambiente, quando adequadamente usado e com um design aprovado, a decisão encontra-se em cada consumidor a respeito de escolher ou não de comer alimentos aquecidos por um forno a micro-ondas ou mesmo de comprá-lo na primeira loja que o encontre.


Os instintos maternos são corretos

Num lado mais humoristico, com o “sexto sentido“ de cada mãe é impossível argumentar. Você nunca tentou? As crianças jamais vencerão contra a intuição materna. É como tentar argumentar com o braço - que aparece do nada - e que te empurra para tráz do assento quando sua mãe pisa nos freios.

Muitos de nós viemos de uma geração onde as mães e avós não confiam no moderno sistema de cozimento “às avessas“, isso é de dentro para fora, que elas afirmam que “não era apropriado“ para os alimentos. Minha mãe se recusou a assar coisas num micro-ondas. Ela também não apreciou o gosto do café feito num forno a micro-ondas. Eu tenho que concordar plenamente e não posso argumentar nenhum dos fatos. Seu bom senso e seus instintos lhe disseram que não havia nenhuma forma de cozimento em micro-ondas que poderia ser natural e não poderia ter o gosto de alimentos, desta forma como eram feitos. Relutantemente, minha mãe ainda colocava para reesquentar as sobras de comida num forno a micro-ondas devido a programação do seu trabalho, antes de se aposentar.

Muitos outros se sentem da mesma forma, mas são considerados como “velhos fascinados“ uma minorância datada antes da década de 70 quando os aparelhos de micro-ondas dominaram o mercado. Como a maioria dos adultos naquele tempo, os fornos a micro-ondas tornaram-se banais, eu preferí ignorar a sabedoria intuitiva de minha mãe e me associei com a maioria que acreditava que cozinhar em fornos a micro-ondas era muito conveniente para crer que alguma coisa poderia ser errado com ele. Um ponto a mais para a percepção materna, porque mesmo que ela não sabe as razões técnico-científicas, ou as razões para a saúde, ela sabia que não era bom cozinhar alimentos neles. Ela não gostou do modo como as micro-ondas mudavam suas texturas.

As micro-ondas são perigosas para o leite dos bebês

Um número de advertências foram feitas públicas, mas mal divulgadas. Por exemplo, as famílias jovens, o serviço de extensão da universidade do Minesota, publicou o seguinte em 1989:

"Embora as micro-ondas esquenta rapidamente os alimentos, elas não são recomendadas para esquentar o leite servido nas mamadeiras dos bebês. A mamadeira pode parecer fria ao toque da mão, mas o líquido em seu interior pode ser extremamente quente e pode queimar a boca e também a garganta do bebê. Além disso, o acúmulo de vapor num contenitor fechado, como a mamadeira do bebê, poderia causar sua explosão. Aquecendo a mamadeira num micro-ondas poderia provocar leves mudanças no leite. Nas fórmulas infantis, pode haver uma perda de algumas vitaminas. No leite materno, quando este é recolhido e armazenado para ser usado posteriormente, algumas propriedades protetivas podem ser destruídas. Aquecendo um frasco prendendo-o sob a água da torneira, ou colocando dentro a uma tijela com água morna, e depois testando-o no próprio pulso antes de alimentar o bebê pode tomar alguns minutos, mas é muito mais seguro".

O Dr. Lita Lee do Hawaii relatou em 9-dezembro-1989 na revista Lancet:

“As fórmulas para bebês, aquecidas em fornos a micro-ondas, converteram alguns trans-aminoácidos em seus cis-isômeros sintéticos. Isômeros sintéticos, se, cis-aminoácidos ou trans-acidos graxos, não são biológicamente ativos. Ainda, um dos aminoácidos, a l-prolina, foi convertida em d-isomero, que sabemos que é neurotóxica (veneno para o sistema nervoso) e nefrotóxico (veneno para os rins). É suficiente ruim que muitos bebês não são aleitados, mas agora estão dando a eles um falso leite (fórmula para bebês) que se faz ainda muito mais tóxico quando usamos as micro-ondas“.

O sangue pré-aquecido com micro-ondas mata o paciente

Em 1991, havia um processo judicial em Oklahoma relativo ao uso hospitalar de um forno a micro-ondas para pré-aquecer o sangue usado em transfusões. O caso envolveu um paciente de cirurgia nos quadris, Norma Levitt, que morreu por uma simples transfusão de sangue. Parece que a enfermeira tinha aquecido o sangue num forno a micro-ondas. Esta tragédia fez-se muito aparente. Muito mais que o “aquecimento“ com os fornos a micro-ondas que fomos dirigidos a acreditar. O sangue para transfusões é habitualmente pré-aquecido, mas não em fornos a micro-ondas. No caso da Sra. Levitt, o pré-aquecimento num forno a micro-ondas alterou o sangue e este matou-a.

É obvio que esta forma de “radiação de calor“ microôndico faz alguma coisa nas substâncias que aquece. É também muito evidente que as pessoas que usam os fornos a micro-ondas para fazer seus alimentos, estão também engolindo estas “coisas desconhecidas“. Por que o nosso corpo é eletro-químico de natureza, qualquer força que quebra ou muda o equilíbrio electroquímico pode afetar a fisiologia do corpo. Isto é, também descrito no livro de Robert O. Becker, “O corpo elétrico“, e no livro de Ellen Sugarman, “Cuidado, a eletricidade em torno a você pode ser perigosa para a sua saúde“.

Fatos e evidencias científicas

Num estudo comparativo entre alimentos preparados convencionalmente com aquele preparado em fornos a micro-ondas, publicado por Raum e Zeit em 1992, em 3(2) : 43, declara:

“Uma básica hipótese da medicina natural afirma que a introdução no corpo humano de moléculas e energias, das quais ele não é acostumado, é muito mais provável que cause o mal que o bem. Alimentos expostos à radiação microôndica contém tanto moléculas que energias não presentes em alimentos cozidos com os métodos tradicionais como sempre foi feito desde a descoberta do fogo. A energia microôndica do sol e outros astros é baseada na corrente contínua. As micro-ondas produzidas artificialmente, incluindo aquela dos fornos, são produzidas pela corrente alternada e força a reversão de polaridade bilhões de vezes ou mais, por segundo, nas moléculas dos alimentos que eles batem. A produção de moléculas anormais é inevitável. Naturalmente podemos observar os aminoácidos sofrerem uma mudança isomérica (mudanças na forma morfológica) bem como a transformação na forma tóxica sob o impacto das microondas produzidas nos fornos.

Um estudo de curta duração encontrou significantes e disturbantes mudanças no sangue de indivíduos consumidores de leite e vegetais preparados em micro-ondas. Oito voluntários comeram várias combinações dos mesmos tipos de alimentos porém cozidos por processos diferentes. Todos os alimentos que foram preparados em fornos a micro-ondas provocaram mudanças no sangue dos voluntários. O nível da hemoglobina diminuiu e além disso, o nível dos glóbulos brancos e o nível do colesterol aumentaram. O nivel de linfócitos também diminuiu.

Uma bactéria luminescente (que emite luz) foi empregada para detectar mudanças energéticas no sangue. Significantes aumentos foram encontrados na luminescencia desta bactéria quando foi exposta ao soro sanguíneo obtido após o consumo de alimentos preparados nos fornos a micro-ondas“.

Os estudos clínicos suíços

O Dr. Hans Ulrich Hertel, que hoje é aposentado, trabalhou como cientista em alimentação por muitos anos numa das maiores companhias suíças do business de alimentação de escala global. Há poucos anos, ele foi demitido do seu trabalho porque questionou certos processos de preparação artificial dos alimentos.

Em 1991, ele e um prof. Universitário de Lausanne, na Suiça, publicaram uma pesquisa afirmando que alimentos preparados em fornos a micro-ondas podem conter riscos muito maiores para a saúde que alimentos preparados pelos métodos convencionais. Outro artigo também apareceu na edição n° 19 da revista Franz Weber na qual foi declarado que o consumo de alimentos cozidos em microondas teria efeitos cancerígenos no sangue. Na capa da revista havia um desenho da morte que segurava em forno a micro-ondas numa das mãos (ao invés da tradicional foice).

O Dr. Hertel foi o primeiro cientista a conceber e executar um estudo clínico de qualidade sobre os efeitos que os alimentos preparados com micro-ondas causam no sangue e na fisiologia do corpo humano. Seu estudo, pequeno mas muito bem controlado, mostrou as forças degeneratívas produzidas em fornos a micro-ondas e nos alimentos neles proparados. A conclusão científica mostrou que cozimentos microôndicos alteram os nutrientes nos alimentos; e, também alteraram o sangue dos participantes, o que poderia causar deterioração no sistema do corpo humano. O estudo científico de Hertel foi feito junto com o Dr. Bernard H. Blanc do Instituto Federal de Tecnologia Suiço e o Instituto Universitário para a Bioquímica.

Em intervalos de dois a cinco dias, os voluntários no estudo recebiam uma das seguintes variedades de alimento com o estômago vazio:

1) leite crú;
2) o mesmo leite, fervido com o sistema tradicional;
3) leite pasteurizado;
4) o leite crú fervido num forno a micro-ondas;
5) verduras cruas de produção biológica;
6) verduras de produção biológica cozidos com o sistema tradicional;
7) verduras biológicas congeladas e depois descongeladas num forno a micro-ondas e,
8) as mesmas verduras cozidas num forno a micro-ondas.

Uma vez os voluntários foram isolados, foram presas amostras do sangue de cada voluntário imediatamente antes que comessem os alimentos. Depois foram presas amostras de sangue em intervalos regulares após o consumo do leite e verduras descritos acima.

Mudanças significativas foram descobertas nas amostras de sangue presas nos intervalos após a ingestão dos alimentos cozidos em fornos a micro-ondas. Estas mudanças incluem a diminuição de todos os valores das hemoglobinas e do colesterol, especialmente a proporção dos valores do HDL (colesterol bom) e LDL (colesterol ruim). Os linfócitos (glóbulos brancos) mostraram uma distinta diminuição a curto prazo após a ingestão de alimentos preparados com microondas que após a ingestão de todas as outras variedades. Adicionalmente, havia uma alta e significante associação entre a quantidade de energia microôndica nos testes dos alimentos e a força luminosa da bactéria luminescente exposta ao soro do sangue de pessoas que haviam ingerido aquele alimento. Isto conduziu o Dr. Hertel à conclusão que tal técnica de energias derivadas pode, de fato, passar para o homem por indução através da ingestão de alimentos feitos com micro-ondas.

Segundo o que diz o Dr. Hertel,

“A leucocitose, a qual não pode ser considerada como normais alterações diárias e levada muito seriamente pelos hematologistas. Os leucócitos são frequentemente sinais de efeitos patogênicos em nosso organismo, tais como envenenamento e danos celulares. O aumento dos leucócitos com os alimentos feitos com microondas eram mais pronunciados que com todas as outras variedades alimentares. E parece que estes aumentos eram causados inteiramente pela ingestão de substancias tratadas com microondas.

Este processo é baseado em principios físicos e ja foi confirmado pela literatura. A aparente energia adicional exibida pela bactéria luminescente foi meramente uma confirmação extra. Existe a literatura científica extensiva concernente aos perigosos efeitos da directa radiação microondica nos organismos vivos. Surpreende, portanto, compreender que somente um pequeno esforço foi feito para substituir esta técnica prejudicial das microondas com uma tecnologia mais de acordo com a natureza. Tecnicamente, a produção de microondas é baseada no principio da corrente alternada. Atomos, moléculas, e células golpeados por esta dura radiação electromagnética são forçados a reversão de polaridade 1-100 bilhões de vezes ao segundo. Não existe atomos, moléculas ou células de qualquer sistema organico capaz de resistir a uma tão violenta e destrutiva força por qualquer período de tempo, nem mesmo com uma baixa intensidade de energia de milliwatts.

De todas as substâncias naturais - que são polares - o oxigênio das moléculas da água reagem mais sensivelmente. É assim que o calor do cozimento com micro-ondas é gerado - a violência desta fricção nas moléculas da água. A estrutura das moleculas são divididas, as moléculas são deformadas pelo uso da força, chamada isomerismo estrutural, e assim torna nociva a sua qualidade. Isto é o contrário para o aquecimento convencional dos alimentos onde o calor é transferido convencionalmente de fora para dentro. O cozimento por micro-ondas começa dentro das células e moléculas onde a água é presente e onde a energia é transformada em calor friccional.

Além dos efeitos violentos do calor friccional, chamado efeitos térmicos, existem também os efeitos atérmicos que quase nunca são levados em consideração. Estes efeitos atérmicos não são atualmente mensuráveis, mas eles podem também deformar a estrutura das moléculas e haver qualitativas consequências. Por exemplo, o enfraquecimento das membranas celulares pelas micro-ondas e usado no campo da tecnologia de alteração dos gens. Por causa da força envolvida, as células são realmente quebradas, por meio da neutralização do potencial elétrico, verdadeira vida das células, entre os lados interno e externo das membranas celulares. As células enfraquecidas se transformam em presas fáceis para os vírus, fungos e tantos outros microorganismos. Os naturais mecanismos de reparo são suprimidos e as células são forçadas a adaptar a um estado de emergência de energia - elas trocam de aeróbica para uma respiração anaeróbica. Em vez de água e dióxido de carbono, as células envenenadas produzem peróxido de hidrogênio e monóxido de carbono“.

As mesmas deformações violentas que ocorrem em nossos corpos, quando somos expostos directamente aos radares ou microondas, também ocorre nas moléculas dos alimentos cozidos em fornos a microondas. Esta radiação provoca a destruição e a deformação das moléculas dos alimentos. Usando microondas também se criam novos compostos chamados “compostos radiolíticos“, os quais são desconhecidas fusões não encontradas na natureza. Compostos readioliticos são criados pela decomposição molecular - decadência, como um resultado directo da radiação.

Os fabricantes de fornos microndas insistem que nos alimentos expostos às microondas e irradiados não tem nenhum aumento significativo dos compostos radiolíticos de que nos grelhados, assados ou noutros alimentos cozidos com as formas convencionais. A evidência clínico científica apresentada aqui mostra que isto é simplesmente uma mentira. Nos EUA, nem as universidades nem o governo federal conduziram qualquer teste referente aos efeitos em nossos corpos provocados pela ingestão de alimentos feitos com o uso das microondas. Não é um “bocado estranho“? Eles estão mais empenhados em estudar o que acontece se a porta num forno a micro-ondas não fecha perfeitamente. Uma vez mais, o bom senso nos diz que suas atenções deveriam ser voltadas para o que acontece dentro dos alimentos cozidos em micro-ondas. Desde que as pessoas ingerem este alimento alterado, eles não deveriam ser interessados em como estas moléculas decadentes podem afetar a nossa própria estrutura biológica celular humana?

A ação das indústrias para esconder a verdade.

Tão logo quanto os Drs. Hertel e Blanc publicaram seus resultados, as autoridades reagiram. Uma poderosa organização comercial, a Associação Suíça dos Distribuidores de Electrodomésticos para Residencias e Indústrias, também conhecido como FEA, atacaram rapidamente em 1992. Eles forçaram o presidente da corte de Seftigen, região de Berna, a emitir uma ordem “de amordaçar“, contra os Drs. Hertel e Blanc. Em março de 1993, o Dr. Hertel foi condenado por “interferir com o comércio“ e proibido de publicar suas pesquisas. Entretanto o Dr. Hertel manteve sua opinião e combateu esta decisão por muitos anos.

Não há muito tempo, esta decisão foi invertida num julgamento entregue em Strasburgo, em 25/08/1998. A corte Européia dos Direitos Humanos considerou que havia uma violação dos direitos de Hertel, na decisão de 1993. A corte Européia dos Direitos Humanos também determinou que a “ordem de amordaçar“ emitida pela corte suiça em 1992 contra o Dr. Hertel, proibindo-o de declarar que os fornos a microondas são perigosos para a saúde humana, era contrária aos direitos de liberdade de expressão. Além disso, a suiça foi obrigada a pagar uma indenização ao Dr. Hertel.

Quem inventou os fornos a micro-ondas?

Os nazistas, para usar nas suas operações de apoio móvel, originariamente desenvolveram fornos “radioemissores“ para cozimento a micro-ondas, usados para a invasão da Russia. Por ser capaz de utilizar um equipamento electronico para a preparação de refeições em larga escala, o problema logístico de combustível para cozinhar teria sido eliminado, assim como a conveniência de preparar produtos comestíveis em pouquíssimo tempo.

Após a guerra, os aliados descobriram uma pesquisa médica feita pelos alemães sobre os fornos a microondas. Estes documentos, juntos com alguns trabalhos em fornos a microondas, foram transferidos ao Departamento de Guerra Americano e classificados para referência e “suplementar investigação científica“. Os russos também tinham recuperado alguns fornos a microondas e então haviam uma pesquisa completa sobre seus efeitos biológicos. Como resultado, seu uso foi proibido na União Soviética. Os soviéticos emitiram um alerta internacional sobre os riscos para a saúde, tanto biológico como ambiental, dos fornos a microondas e similares frequências de outros engenhos electronicos.

Outros cientistas da Europa Oriental também relataram os perigosos efeitos da radiação microondica e fixaram um preciso limite ambiental para seu uso. Os E.U.A. não aceitaram o relatório Européu sobre os efeitos perigosos, apesar disso o EPA estima que as frequencias de radio e as fontes de radiação microondica nos E.U.A. aumentaram de 15% ao ano.

Carcinógenos nos alimentos feitos com micro-ondas

No livro do Dr. Lita Lee, Efeitos na Saúde das Radiações de Microondas - Os Fornos a Microondas, e nas edições de março e setembro/1991 da revista “Earthletter“, ela declara que todo forno a microondas perde radiação electromagnética, que é nocivo para os alimentos e transforma as substancias nele preparadas em perigosos organismos tóxicos e produtos carcinogênicos. Pesquisas suplementares resumidas neste artigo revela que os fornos a microondas são muito mais perigosos de quanto era previamente imaginado.

A seguir temos um sumário das investigações Russas publicadas pela Atlantis Raising Educational Center em Portland, Oregon. Carcinógenos foram formados em praticamente todos os alimentos testados. Nenhum alimento testado foi exposto às microondas por um tempo maior do que o necessário para realizar o propósito, isso é, cozinhar, descongelar ou aquecer os alimentos para assegurar uma ingestão sanitária. Aqui está um resumo de alguns dos resultados:

O tratamento com micro-ondas de preparados à base de carne apenas o suficiente para a normal ingestão, causou a formação de D-nitrosodienthanolaminas, bem conhecidas como carcinógeno (Cancerógeno).

O leite e os cereais aquecidos com microondas converteram alguns de seus aminoácidos em carcinógenos.

Descongelando frutas congeladas estas converteram o seu conteúdo de glucose e galactose em substâncias carcinógenas.

Uma exposição extremamente curta de verduras cruas, cozidas ou congeladas converteu o alcalóide presente nas verduras em carcinógenos.

Radicais livres carcinogênicos foram formados em plantas expostas às micro-ondas, especialmente raízes vegetais.

Diminuição do valor nutricional

Pesquisadores Russos também relataram uma acentuada aceleração da degradação estrutural levando a uma diminuição do valor nutritivo do alimento de 60 a 90% em todos os alimentos testados. Entre as mudanças observadas estavam:

Diminuição da bio-disponibilidade das vitaminas do complexo B, vitamina C, vitamina E, minerais essenciais e fatores lipotropicos em todos os alimentos testados.

Várias espécies de danos para muitas substâncias das plantas, tais como alcalóides, glucoses, galactoses e nitrilosides.

A degradação das nucleo-proteínas nas carnes.

A descoberta da doença das micro-ondas

Os russos pesquisaram em milhares de trabalhadores que foram expostos às microondas durante o desenvolvimento do radar em 1950. Suas pesquisas mostraram seríssimos problemas para a saúde que os russos fixaram um estreito limite de 10 microwatts de exposição para os trabalhadores e 1 microwatt para os cidadãos.

No livro de Robert O. Becker, “O Corpo Elétrico“, ele descreveu a pesquisa Russa sobre os efeitos para a saúde da radiação microondica, às quais ele chamou “doença das microondas“. Na pagina 314, Becker declara:

“Os primeiros sintomas (da doença provocada pelas microondas) são baixa pressão arterial e baixa pulsação cardíaca. Posteriormente, as manifestações mais comuns são: excitação crônica do sistema nervoso simpático (sindrome de stress) e alta pressão sanguinea. Nesta fase também se incluem frequentemente: dores de cabeça, tonturas, dor nos olhos, insonia, irritabilidade, ansiedade, dores no estomago, tensão nervosa, dificuldade de concentração, perda de cabelos, além do aumento de incidencia de apendicites, catarata, problemas nos orgãos reprodutivos e cancer. Os sintomas crônicos são eventualmente sucedidos pelas crises de exaustão das glandulas supra-renais e doença isquêmica do coração (o bloqueio das artérias coronárias e ataques cardíacos)“.

Segundo o Dr. Lee, mudanças são verificadas nos componentes químicos do sangue e no índice de certas doenças entre consumidores de alimentos tratados com micro-ondas. Os sintomas acima podem ser facilmente causados pelas observações mostradas abaixo. O seguinte é uma amostra destas mudanças:

Desordens linfáticas foram observadas, indicando a diminuição da capacidade de prevenir certos tipos de câncer.

Aumento do índice de formação de células cancerógenas foi observado no sangue.

Aumento do indice de câncer no estômago e intestinos foi observado.

Elevados índices de desordens digestivas e um gradual colapso dos sistemas de eliminação foram observados.

Conclusões sobre a pesquisa das micro-ondas

A seguir estão as mais significantes pesquisas Alemãs e Russas sobre a capacidade de ação referente aos efeitos biológicos das micro-ondas:

A pesquisa inicial conduzida pelos alemãos durante a campanha militar de Barbarossa, para a Humbolt-Universitat em Berlim (1942-43); e

De 1957 até hoje (até o fim da guerra fria) as operações de pesquisas Russas foram conduzidas por:

Instituto de radio tecnologia em Kinsk, região autonoma da Bielorussia; e no instituto de radio tecnologia em Rajasthan na região autonoma de Rossiskaja, ambos na União das Repúblicas Socialistas Soviéticas.

Em muitos casos, os alimetos usados para a análise da pesquisa foram expostos à propagação de microondas num potencial energético de 100 kilowatts/cm3/seg., o ponto considerado aceitável para uma normal, sanitária ingestão. Os efeitos verificados pelos pesquisadores Russos e Alemãos são apresentados em três categorias:

Categoria I - Efeitos que causam o Câncer

Categoria II - Destruição Nutritiva dos Alimentos

Categoria III- Efeitos Biológicos da Exposição

Categoria I
EFEITOS QUE CAUSAM O CÂNCER

(Os primeiros dois pontos da categoria I são ilegíveis nas cópias dos nossos relatórios. O restante do relatório é integro.)

3 - Criação de um efeito ligado com a radioatividade na atmosfera, assim da causar um significante aumento no total de saturação das partículas Alfa e Beta dos alimentos.

4 -Criação de agentes causadores do câncer nos componentes das proteínas hidrolisadas, no leite e grãos de cereais (estas são proteínas naturais que são divididas em fragmentos artificiais pela adição de água);

5 - Alteração das elementares substâncias alimentares provocando desordens no sistema digestivo pelo instável catabolismo dos alimentos expostos às micro-ondas (o colapso do processo metabólico);

6 - Devido as alterações quimicas dentro das subst6ancias dos alimentos, disfunções foram observadas dentro do sistema linfático (vasos absorventes) causando a degeneração do potencial de imunização do corpo para proteger contra certas formas de neoplasias (crescimento anormal dos tecidos);

7 - A ingestão de alimentos preparados em fornos a micro-ondas causou uma alta no percentual de células cancerígenas dentro do soro do sangue (citomas - células tumorais tais como sarcoma);

8 - Emissões de micro-ondas causaram alterações no comportamento metabólico (colápso metabólico) dos elementos da glucoside (dextrose hidrolizada) e galactoside (alcool oxidado) nas frutas congeladas quando foram descongeladas desta maneira.

9 - A emissão de micro-ondas causou alterações do comportamento catabólico (colapso do metabolismo) dos alcalóides das plantas (elementos base do nitrogênio organico) quando verduras, cozidas ou cruas foram expostas a estas, mesmo que por uma duração extremamente curta.

10 - Radicais livres causadores do câncer (moléculas incompletas altamente reactivas) foram formadas dentro de alguns resíduos minerais de formações moleculares, e em particular, raízes vegetais cruas; e,

11 - Estatísticamente num elevado percentual de pessoas, os alimentos feitos com o uso de micro-ondas causaram o desenvolvimento de câncer no estômago e nos intestinos, bem como uma degeneração generalizada dos tecidos celulares periféricos, com um gradual colapso dos sistemas digestico e excretor.

Categoria II
DIMINUIÇÃO DO VALOR NUTRITIVO DOS ALIMENTOS

A exposição às micro-ondas provocou significantes diminuições no valor nutritivo de todos os alimentos pesquisados. À seguir estão as mais importantes descobertas:

1 - Uma diminuição na bio-disponibilidade (capacidade do corpo para utilizar os nutrimentos) das vitaminas do complexo B, vitamina C, vitamina E, minerais essenciais e lipotrópicos em todos os alimentos;

2 - Uma perda de 60 a 90 % do conteúdo do campo de energia vital em todos os alimentos testados;

3 - Uma redução no comportamento metabólico e na capacidade do processo de integração dos alcalóides (elementos básicos do nitrogênio organico), glucoses, galactoses e nitrilosidos;

4 - Uma destruição do valor nutritivo das núcleo-proteínas das carnes;

5 - Uma acentuada aceleração da desintegração estrutural em todos os alimentos.

Categoria III
EFEITOS BIOLÓGICOS DA EXPOSIÇÃO

A exposição às emissões de micro-ondas também teve um efeito negativo imprevisível no total bem-estar biológico humano. Isto não foi descoberto até que os Russos experimentaram com equipamentos altamente sofisticados e descobriram que um ser humano não precisa ingerir as substâncias preparadas com micro-ondas: aquela regular exposição aos campos energéticos era suficiente para causar efeitos tão adversos que o uso de qualquer aparelho de micro-ondas foi proibido em 1976, por lei, na União Soviética.

Os seguintes efeitos são enumerados:

1 - Colapso do “campo de energia vital“ humana naqueles que foram expostos às radiações dos fornos a microondas enquanto funcionavam, com efeitos colaterais ao campo de energia humano aumentados pela longa duração.

2 - Uma degeneração dos paralelos da voltagem celular durante o processo de uso do aparelho, especialmente no sangue e áreas linfáticas;

3 - Uma degeneração e a desestabilização dos potenciais externos de energia activada da utilização dos alimentos dentro dos processos do metabolismo humano;

4 - Uma degeneração e a desestabilização do potencial da membrana celular enquanto o processo de transferimento catabólico (colapso metabólico) no soro do sangue do processo digestivo.

5 - Degeneração e colapso dos impulsos eléctricos nervosos dentro dos potenciais de junção do cérebro (a porção frontal do cérebro onde reside o pensamento e funções essenciais);

6 - Degeneração e colapso do circuito eléctrico nervoso e perda dos campos de energia simétrica nos neuroplexuses (centros do nervo) ambos na frente e fundos do sistema nervoso autônomo;

7 - Perda de equílibrio e rotação da força bioelétrica dentro do sistema ativado de ascendencia reticular. (o sistema que controla a função da consciência);

8 - Uma perda cumulativa a longo prazo de energia vital nos seres humanos, animais e plantas foram verificados num raio de 500 metros do equipamento operacional;

9 - Efeitos residuais de longa duração dos “depósitos“ magnéticos foram localizados por todo o sistema nervoso e sistema linfático.

10 - Uma desestabilização e interrupção na produção dos hormônios e na manutenção do equilíbrio hormonal em machos e fêmeas;

11- Níveis notavelmente altos de distúrbios nas ondas cerebrais alpha, theta e padrões do sinal de onda delta de pessoas expostas aos campos de emissão de micro-ondas, e;

12 - Por causa destes distúrbios das ondas cerebrais, os efeitos psicológicos negatívos foram verificados incluindo a perda da memória, perda da capacidade de concentração e abaixamento do limiar emocional, desaceleração do processo intelectivo, e episódios de interrupção do sono num percentual estatísticamente elevado em individuos sujeitos à exposição contínua aos efeitos dos campos de emissão dos aparelhos de micro-ondas, tanto em aparelhos para cozinhar ou em estações de transmissões.

Conclusões das pesquisas legais

Das vinte e oito indicações enumeradas precedentemente, o uso dos aparelhos a micro-ondas é definitivamente desaconselhável; e, com a decisão das autoridades soviéticas em 1976, a presente opinião científica em muitos países referente ao uso de tais aparelhos é claramente em evidência. Devido ao problema do residual magnético e união dentro do sistema biológico do corpo (categoria III : 9), que pode por fim afetar o sistema neurológico, principalmente o cérebro e neuroplexuses (centro do nervo), a longo prazo pode resultar a despolarização dos circuitos neuroelétricos.

Porque, estes efeitos podem causar danos praticamente irreversíveis para a integridade neuroeléctrica de vários componentes do sistema nervoso (I.R. Luria, Novosibirsk 1975a), a ingestão dos alimentos preparados em fornos a microondas é claramente contra-indicada em todos os aspectos. Seus magnéticos efeitos residuais podem transformar os componentes do receptor psiconeural do cérebro mais suscetível a influencia psicológica pelas frequencias de radio artificiais induzidas nas microondas dos campos das estações de transmissão e de coligamentos das redes de televisão.

A teorética possibilidade da influência psico-telemétrica (a capacidade de afetar o comportamento humano pelas transmissões de sinais de rádio e frequencias controladas) foi sugerido pelas investigações neuropsicológicas soviéticas em Uralyera e Novosibirsk (Luria e Perov, 1974a, 1975c, 1976a) a qual pode causar a conformação involuntária do campo de energia psicológico subliminal de acordo com o aparelho operativo de microondas.

Dez razões para jogar no lixo o seu forno a micro-ondas

Das conclusões dos estudos clínicos científicos dos Suíços, Russos e Alemãos, nós não podemos mais ignorar o forno a micro-ondas nas nossas cozinhas. Baseado nesta pesquisa, podemos concluir este artigo com o seguinte:

1 - continuar comendo alimentos processados em fornos a micro-ondas causa à longo prazo permanentes danos cerebrais pelo curto-circuito dos impulsos elétricos no cérebro (despolarização ou desmagnetização do tecido cerebral).

2 - o corpo humano não pode metabolizar (decompor) os produtos desconhecidos criados nos alimentos feitos com as micro-ondas.

3 - a produção dos hormônios masculinos e femininos diminui e/ou altera pela contínua ingestão de alimentos cozidos com microondas.

4 - os efeitos dos alimentos tratados com micro-ondas é residual (à longo prazo ou permanente) dentro do corpo humano.

5 - os minerais, vitaminas e nutrientes de todo alimento feito com micro-ondas são reduzidos ou alterados de modo que no corpo humano fica pouco ou nenhum benefício, ou o corpo humano absorve componentes alterados que não pode decompor.

6 - os minerais presentes nas verduras são alterados em cancerosos radicais livres quando cozidos em fornos a microondas.

7 - alimentos feitos com micro-ondas causam o desenvolvimento de formas cancerosas no estômago e intestinos (tumores). Isto pode explicar o rápido aumento da taxa de câncer do cólon, nos E.U.A.

8 - a ingestão prolongada de alimentos tratados com micro-ondas causa o aumento das células cancerígenas no sangue humano.

9 - a contínua ingestão de alimentos tratados com micro-ondas causa uma deficiência do sistema imunitário através das glandulas linfáticas e alterações do soro sanguineo.

10 - comer alimentos preparados com uso de micro-ondas, causa a perda da memória, perda da concentração, instabilidade emocional e uma diminuição a inteligência.

Voce já jogou no lixo o seu forno a micro-ondas?

O uso de transmissões artificiais de micro-ondas para um controle psicológico subliminal. Também conhecido como “lavagem cerebral“, foi também provado. Estamos tentando obter cópias dos documentos das pesquisas Russas de 1970 e os resultados escritos pelos Drs. Luria e Perov especificando seus experimentos clinicos nesta área.

Escrito por: Anthony Wayne and Lawrence Newell
http://paulocastelo.blogspot.com.br/

quarta-feira, 13 de fevereiro de 2013

Anabolizantes, risco de câncer e infarto




Anabolizantes fazem crescer os músculos sob risco de câncer e infarto
Esteroides alteram metabolismo, provocam impotência sexual e não aumentam força



POR SARAH USKA

Músculos volumosos, que chamam a atenção, são o sonho de quem pega pesado na academia. Mas nem todo mundo tem paciência para seguir o treino sem falhas e esperar os resultados aparecerem - na dúvida entre desistir dos exercícios e alcançar músculos fortes, tem quem acabe buscando os esteroides anabolizantes como alternativa para conseguir resultados mais rápidos. "Essas drogas, apesar de serem ilegais, são facilmente encontradas", afirma a cardiologista Luciana Janot, do programa de cardiologia do Hospital Albert Einstein. Em geral, as fórmulas são derivadas da testosterona, o hormônio sexual masculino, e causam a retenção de líquidos - daí o inchaço da musculatura. Os hormônios do crescimento (HGH), naturalmente produzidos pela hipófise, também têm sido usados como anabolizantes.


"Devido à dose extra de hormônios, o metabolismo celular aumenta, surge o inchaço e os exercícios intensos provocam hipertrofia muscular", afirma a cardiologista. Nem mais fortes os músculos ficam, já que o aumento das fibras não é resultado de esforço, mas do acúmulo de líquidos - a ilusão até pode gerar lesões se a carga de peso for aumentada sem cuidado. Os riscos para a saúde, incluindo o perigo de morte, são muitos. Se você ainda tem alguma dúvida relacionada aos perigos dos anabolizantes, veja os alertas dos especialistas e abandone imediatamente essa ideia.
  • Coração - Getty Images
  • Fígado - Getty Images
  • Colesterol - Getty Images
  • Infertilidade - Getty Images
  • Hormônios - Getty Images
  • Acne - Getty Images
  • Anabolizantes - Getty Images
  • Crescimento - Getty Images
  • Agressividade - Getty Images
DE 9
Coração - Getty Images

Riscos cardiovasculares

Uma consequência grave sofrida por quem abusa dos anabolizantes são os problemas cardiovasculares. Com a dosagem extra de hormônio circulando na corrente sanguínea, o músculo cardíaco pode ser vítima de fibroses (desenvolvimento exagerado de tecido muscular), devido ao aceleramento do metabolismo. Essas fibroses podem obstruir as veias, impedindo a passagem do sangue e causando ataques cardíacos. 
Fígado - Getty Images

Câncer hepático

O fígado, por ser responsável pela metabolização de todos os medicamentos, acaba sendo sobrecarregado com a alta dosagem de hormônio no corpo e pode falhar ? nem sempre as enzimas são suficientes. Em casos mais graves, a sobrecarga causa nódulos nas células, que provocam câncer. 
Colesterol - Getty Images

Colesterol

O endocrinologista Tércio Rocha, da Academia Brasileira, explica que essa sobrecarga no fígado também pode causar um aumento na produção de enzimas, o que faz o órgão produz mais colesterol ruim (o LDL) do que o bom (HDL). A gordura se acumula nas paredes das artérias do coração e do cérebro - por isso as veias entupidas podem causar derrame e acidente vascular (AVC). Em média, 75% do colesterol do corpo é produzido pelo fígado para as ações reguladoras do metabolismo. Quando há excesso de hormônio para ser metabolizado no fígado,há queda na produção do chamado colesterol bom (HDL) e aumento a produção do chamado colesterol ruim (LDL). 
Infertilidade - Getty Images

Problemas de fertilidade no homem

Nos homens, há alto risco de atrofia dos testículos e infertilidade, de acordo com o endocrinologista Filippo Pedrinola, da Sociedade Brasileira de Endocrinologia e Metabologia (SBEM). "Com altas doses de hormônio, os testículos perdem a capacidade de produzir testosterona, efeito que pode ser temporário ou permanente, dependendo de cada caso". Inibição da testosterona também pode levar à impotência. ?Os anabolizantes provocam bloqueios numa glândula chamada hipófise, que é a glândula que controla a fabricação de testosterona. Com isso, o homem pode entrar em um estado chamado de hipogonadismo, ou seja, a falta do hormônio masculino?. Nesta situação, há perda ou diminuição do desejo sexual, além de prejuízo na qualidade e na capacidade de ereção (disfunção erétil). 
Hormônios - Getty Images

Desequilíbrio hormonal

O excesso de testosterona no organismo desequilibra o sistema hormonal dos homens e das mulheres. No caso delas, há aumento de pelos, engrossamento da voz, aparecimento do pomo de adão e hipertrofia do clitóris, o que atrapalha o prazer sexual. Os homens sofrem com a perda da libido e observam o aparecimento de mamas. "O homem pode ter um aumento do tecido mamário, problema conhecido por ginecomastia. "Parte da testosterona é convertida em estradiol, um hormônio feminino, estimulando o desenvolvimento de mamas, às vezes só uma cirurgia é capaz de reverter esse quadro", afirma Jomar Souza, presidente da Sociedade Brasileira de Medicina do Exercício e do Esporte (SBMEE). 
Acne - Getty Images

Pele com acne

O abuso de anabolizantes pode vir acompanhado de problemas cutâneos. O endocrinologista Tércio Rocha explica que a ação anabólica causa hipertrofia também nas glândulas sebáceas, responsáveis pela oleosidade natural da pele. "Quanto maior for o uso de esteroides, maior será a oleosidade da pele e há o surgimento de acne", afirma o especialista. 
Anabolizantes - Getty Images

Hepatite e HIV

O endocrinologista Filippo Pedrinolla reforça um risco associado ao consumo de anabolizantes: muitas versões podem ser consumidas de forma injetável. As seringas e as agulhas, se não forem novas e esterilizadas, aumentam o risco de contágio de AIDS e hepatite.
Crescimento - Getty Images

Atrapalha o cerscimento

Quando a droga é usada por jovens menores de 21 anos, os danos podem ser maiores ainda. "Em adolescentes, o excesso de testosterona atrapalha o crescimento e acelera puberdade, piorando o desenvolvimento", afirma o endocrinologista Filippo Pedrinolla. 
Agressividade - Getty Images

Aumento da agressividade

O endocrinologista Tercio Rocha explica que a testosterona é conhecida como o fator de maior contribuição no nível de agressividade do homem. Pessoas que tomam esteroides anabolizantes apresentam-se mais agressivos e violentos que o normal.